Palmas

Professores universitários das redes federal, estaduais e particular de todo o país já começam a chegar em Palmas para o 53º Conselho Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - Conad. O evento será aberto nesta quinta-feira (26/6), com a participação de delegados, observadores e convidados. O Conselho estará reunido até o próximo domingo (29/6).

O tema central do Conselho é "As Lutas Sociais e a Defesa da Universidade". Durante a abertura, a diretoria eleita para o biênio 2008/2010 do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - Andes-SN tomará posse. As plenárias serão realizadas em dois locais: no Auditório do Centro Universitário Integrado de Ciência, Cultura e Arte (Cuica) da UFT, e na Escola Técnica Federal de Palmas.

O 53º Conad avaliará e atualizará o plano de lutas aprovado no 27º Congresso do Andes-SN. Para os organizadores, o tema do evento reafirma a centralidade da luta do Sindicato Nacional e postula que a manutenção do caráter público das universidades brasileiras depende fundamentalmente do protagonismo dos movimentos sociais. “Principalmente diante do lobby dos empresários da educação em sua defesa ferrenha da mercantilização da educação”, completa Paulo Rizzo, presidente do Aandes-SN.

Assuntos como a redução da jornada de trabalho, fator previdenciário, salário-mínimo e reforma sindical, além da defesa da universidade pública, autônoma e democrática, entre outros, serão alguns dos temas dos debates, além da apreciação do Balanço Financeiro 2007.

Exposição fotográfica

O objetivo da mostra é fomentar a discussão sobre o autoritarismo e a repressão nas universidades, reavivando a memória dos mais velhos e mostrando aos mais novos o que foi um dos mais violentos períodos da história recente do Brasil com o propósito de não deixar que esta experiência volte a se repetir, além de fomentar a discussão sobre o processo de criminalização contra os movimentos sociais, sindicais e estudantil, em curso hoje nas universidades brasileiras. Esse é o objetivo da mostra “A Ditadura Militar”, que será exposta durante o 53º Conad, de 26 a 29 de junho, em Palmas (TO).

“O autoritarismo que impera atualmente na maioria das administrações superiores das universidades brasileiras tem gerado práticas de violência inaceitáveis contra os movimentos. É por isso que precisamos resgatar os anos de chumbo: para mostrar até onde a intolerância e o autoritarismo podem conduzir o país”, afirma o 2º secretário do Andes-SN, Evson Malaquias de Moraes Santos.

De acordo com ele, a forma com que o governo federal, as reitorias e as polícias atuaram para garantir a aprovação do REUNI, no ano passado, foi um exemplo claro dessa nova tendência. “Discutir mecanismos que garantam a democracia nas universidades é hoje uma prioridade para o movimento docente”, explica Evson.

Direito à memória e à verdade

A exposição "A Ditura Militar" faz parte do projeto “Direito à Memória e à Verdade”, da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, concebida originalmente em 2006, para comemorar os 27 anos da promulgação da Lei da Anistia no Brasil.

Idealizada para ocupar imensos painéis de lona especial, a exposição apresenta uma ambientação visual que procurar levar o público a uma espécie de viagem no tempo, na qual ele torna-se parte dos acontecimentos.

Dos primeiros momentos do golpe que mergulhou o país em uma ditadura de 21 anos aos grandes comícios populares pelas Diretas Já, o público poderá conferir os tanques militares fechando o Congresso Nacional, as passeatas estudantis, as denúncias contra a censura nas artes e na imprensa, a promulgação do Ato Institucional nº 5, a violência, as prisões, as torturas.

Números da violência

Embora a radiografia da violência da ditadura militar no Brasil não esteja concluída, a exposição mostra que cerca de 50 mil pessoas foram presas por motivações políticas somente nos primeiros meses de ditadura. Pelo menos 20 mil pessoas foram submetidas à tortura. Comprovadamente, 356 estão mortas ou desaparecidas.

No período, quatro pessoas foram condenadas à pena de morte. Outras 130 foram banidos do país, 4.862 tiveram seus direitos políticos cassados, 6.592 militares foram atingidos, milhares de cidadãos ficaram exilados e centenas de camponeses foram assassinados.

Temário do 53º Conad

Tema I: Movimento Docente e Conjuntura: avaliação da atuação do Andes-SN frente às centralidades estabelecidas no 2º Congresso.

Tema II: Questões organizativas e financeiras do Andes-SN e Atualização da Proposta do Andes-SN para a Universidade Brasileira – Caderno 2.

Tema III: Avaliação e atualização do pano de lutas: Setores.

Tema IV: Avaliação e atualização do plano de lutas: educação, direitos e organização dos trabalhadores.

Locais das plenárias:

- 26, 27 e 28: Auditório do Centro Universitário Integrado de Ciência, Cultura e Arte (Cuica) da Universidade Federal do Tocantins, campus de Palmas. Os grupos mistos se reunirão no Bloco A da universidade (Endereço: Av. NS 15 ALC NO 14, 109 Norte-77001-090)

- 29: Auditório da Escola Técnica Federal de Palmas (Endereço: AE 310 SUL, Avenida NS 10 esquina com Avenida LO 5 Centro, Palmas-TO, CEP 77.021-090)

 

Fonte: Assessoria de imprensa do Andes-SN

Por: Redação

Tags: Congresso, Ensino, Palmas