Economia

Foto: Divulgação

Má qualidade no atendimento, o 0800 de alguns SACs que não atendem e dificuldade no cancelamento do serviço. Estas são algumas das diversas reclamações, dos consumidores tocantinenses referente o SAC - Serviço de Atendimento ao Consumidor, relataram o gerente do Núcleo do Procon de Palmas, Renato Tolentino, e o coordenador de atendimento do Procon, Rogério Líria durante, em coletiva à imprensa concedida na sala de reuniões da Secretaria da Cidadania e Justiça (prédio novo), na manhã desta quinta-feira, 30.

Renato Tolentino ressaltou que as empresas ainda não estão cumprindo o que preconiza a lei para o atendimento de Call centers. “Após oito meses de vigência da norma, foram registradas seis mil reclamações nos Procons da esfera federal, são alarmantes os números e isso revela a má qualidade dos SAC. As empresas precisam se adequar ou sofrerão as penalidades. O não cumprimento da Lei poderá custar caro para elas”, disse.

O coordenador de atendimento do Procon, Rogério Líria, aconselha que os consumidores anotem os protocolos de atendimento, os nomes dos atendentes, a quantidade de tempo de espera, entre outros detalhes. “Os dados serão extremamente úteis para comprovar o contato telefônico no ato da abertura da reclamação no Procon”, relatou Rogério.

O governo federal em conjunto com o Ministério Público e os Procons de 23 estados, além do Tocantins, moveu na Justiça Federal uma ação coletiva contra a Claro, Oi e Brasil Telecom, por não respeitar as regras de atendimento ao consumidor, exigindo de cada uma 300 milhões de reais por danos coletivos. O valor é 100 vezes superior à multa máxima prevista pelo Código de Defesa do Consumidor.

Da redação com informações Secom