Geral

Foto: Ises Oliveira

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júnior Coimbra (PMDB), recebeu no fim da manhã desta terça-feira, dia 17, na sala de reuniões da presidência, um grupo de representantes dos municípios de Barra do Ouro, Palmeirante, Filadélfia e Babaçulândia. Em pauta, as reivindicações das comunidades atingidas pela represa formada a partir da construção da Usina Hidrelétrica de Estreito (UHE).

O grupo veio pedir ao deputado que interceda em favor de seus municípios junto aos Ministérios de Minas e Energia e da Justiça, já que, segundo informaram, as comunidades não têm sido atendidas pelo Consórcio Estreito de Energia (Ceste), que é responsável pela obra. A comissão também pediu intercessão junto à Casa Civil do Governo Federal para que atendam suas reivindicações.

Dentre as queixas mencionadas, foi citado o fato do Ceste não reconhecer como atingidos pela represa e, portanto, como merecedores de compensações financeiras, comunidades de pescadores, barraqueiros e barqueiros.

Segundo o vereador do município de Babaçulândia, Adimílson Bibi (PMDB), isso ocorre porque a construtora só reconhece atividades e propriedades formalmente registradas, o que prejudica dezenas de famílias que vivem de renda obtida na informalidade.

O fim das temporadas de praias fluviais, que serão alagadas pela represa, e a falta de novos locais para prédios onde estão abrigados escolas e programas sociais, que pelo mesmo motivo serão demolidos, também preocupam os representantes.

Júnior Coimbra disse que a Assembleia Legislativa está à disposição das comunidades a fim de solucionar o impasse. Coimbra sugeriu a reativação de uma comissão parlamentar especialmente criada para tratar do assunto. Como sugestão para presidir a comissão, foi indicado o deputado Marcelo Lélis (PV).

“É importante que estas comunidades sejam ouvidas e tenham suas demandas respeitadas pelo consórcio construtor da usina, mesmo que não sejam todas”, finalizou o presidente da AL.

Fonte: Dicom/AL