Polí­tica

Foto: Ises Oliveira Júnior Coimbra: 'Assumimos um Legislativo enxuto e organizado' Júnior Coimbra: 'Assumimos um Legislativo enxuto e organizado'

Enquanto um deputado da Câmara Distrital de Brasília custa anualmente R$ 14 milhões, o gasto de um deputado tocantinense sai por R$ 3,3 milhões ao ano, conforme o Orçamento de 2010. A informação é de um levantamento feito pelo Jornal Folha de São Paulo que coloca o Legislativo Tocantinense como um dos mais enxutos do País. “O resultado nos deixa muito felizes, pois revela nosso compromisso com o bem público, com nossos servidores e fornecedores, mostrando que os deputados tocantinenses não têm ostentação e nem regalias”, diz o presidente da Assembléia , o deputado Júnior Coimbra (PMDB).

Ele esclarece que a performance financeira da Casa mantém uma tradição. “Assumimos um Legislativo enxuto e organizado. Estamos apenas dando sequência ao trabalho da gestão anterior, do ex-deputado e atual governador, Carlos Henrique Gaguim (PMDB). Fizemos alterações mínimas, porque a Assembléia está bem estruturada em todos os sentidos”, afirma.

Ele lembra que, para evitar gastos, os deputados não utilizam a frota de quatro carros alugados da Casa. Júnior afirma que também a presidência evita qualquer tipo de gastos desnecessários e regalias. “Este ano, por exemplo, não utilizei nenhuma passagem aérea”, acrescenta.

O levantamento feito pela Folha mostra, por exemplo, que o custo de um deputado nos Estados próximos ao Tocantins, como o de Goiás, é de R$ 7,2, e do Piauí, R$ 5,4 milhões. Já os mais caros, no quadro geral, além do DF, são Minas Gerais, R$ 10,3 e Santa Catarina, R$ 8,2 milhões.

Segundo a Folha, este ano, as 27 Casas legislativas estaduais vão receber, juntas, R$ 6,7 bilhões, o que representa um aumento de 13% em relação a 2009. O volume de recursos públicos direcionados para os legislativos, neste ano, vai ser quase equivalente aos gastos previstos para o Senado e para a Câmara que devem somar R$ 6,8 bilhões.

Fonte: Dicom/AL