Geral

Foto: Divulgação

O secretário de Estado da Saúde, Francisco Melquíades Neto, reuniu-se na quarta-feira da semana passada com médicos obstetras para apresentar o Pacto de Redução da Mortalidade Infantil e o Plano de Qualificação da Atenção nas Maternidades e Rede Perinatal que será implantado no HMDR - Hospital e Maternidade Dona Regina, ambos instituídos pelo Ministério da Saúde.

A reunião fez parte de um conjunto de ações que vem sido desenvolvidas pela Sesau para reduzir em 5% a mortalidade de crianças até cinco anos e especialmente as menores de um ano, responsabilidade assumida pelos Estados da Região Nordeste e da Amazônia Legal.

Melquíades Neto pediu o empenho de todos e afirmou que a Sesau assumiu como prioridade a execução de ações para o alcance das metas, trabalhando desde a Atenção Básica, através da capacitação das Equipes de Saúde da Família e monitoramento das ações nos municípios, até a estruturação dos serviços na Atenção Especializada.

Além disso, o secretário também destacou a transferência da ala pediátrica do Dona Regina para o Hospital Infantil de Palmas como um dispositivo que contribuirá para a melhoria do atendimento e da atenção prestada à gestante e ao recém-nascido, elementos tidos como prioridade nas diretrizes do Plano de Qualificação. “A Sesau tem se preocupado com a humanização dos serviços em todas as esferas, para que todos os profissionais de saúde se sintam co-responsáveis por esse trabalho. Não adianta estruturar fisicamente se a equipe como um todo não estiver motivada a mudar esse quadro”.

Ao demonstrar essa preocupação em valorizar o profissional para melhorar o serviço prestado a população e alcançar a metas do MS, Melquíades Neto, mencionou a aprovação pela Assembléia Legislativa na sessão da última terça-feira, 30, de lei que fixou em 30 horas a jornada dos profissionais que trabalham diretamente com os pacientes. “Essa é mais uma conquista do Governo do Estado que serve de incentivo nessa luta por um serviço de saúde mais humanizado”, ressaltou o secretário.

A supervisora do MS para implantação do Plano de Qualificação nos Estados da Região Norte, Vera Figueiredo, que esteve na semana passada ministrando cursos para os profissionais da Sesau se disse bastante otimista em relação aos resultados que podem ser obtidos no Estado. “Eu percebo nos gestores e na equipe de trabalho aqui do Tocantins um esforço e uma vontade muito grande de tornar realidade as diretrizes do pacto” frisou.

Dessa vez, são os médicos que estão sendo sensibilizados a também abraçarem esse compromisso, mas profissionais técnicos de diferentes áreas da Sesau já passaram por capacitação e grupos de trabalhos estão sendo criados para que os 13 municípios tocantinenses considerados prioritários nesse pacto sejam capazes de desenvolver ações que gerem mudanças significativas. São eles: Palmas, Araguaína, Augustinópolis, Araguatins, Colinas, Esperantina, Formoso do Araguaia, Miracema, Paraíso, Porto Nacional e Tocantinópolis, Gurupi e Dianópolis. Essas cidades foram escolhidas por responderem juntas por quase 50% dos óbitos infantis registrados no Tocantins.

 

Fonte: Secom