Geral

Foto: Divulgação

Em entrevista ao Conexão Tocantins na noite dessa quinta-feira, 15, o presidente regional do PMDB, deputado federal Osvaldo Reis, afirmou que, apesar das últimas atitudes do presidente da Associação Tocantinense dos Municípios (ATM), Valtênis Lino (PMDB), a ordem do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB) no partido, neste momento, é não dividir a legenda.

Reis lembrou, ainda, que não é a primeira que o presidente da ATM assume uma posição contrária a do governdor. Segundo o deputado, no episódio em que Valtênis Lino foi contra a criação do Tribunal de Contas dos Municípios, o próprio governador recuou na sua decisão e decidiu pela não instalação da corte.

Mágoas contra o PMDB

Osvaldo Reis afirmou que não é apenas Valtênis Lino que estaria “magoado” com o PMDB. O ex-governador Moisés Avelino vem afirmando que vota e não abre mão de apoiar o também ex-governador Siqueira Campos (PSDB) na disputa governamental. Para o presidente, é necessário abrir uma roda de diálogo com todos os políticos para que se possa chegar à melhor decisão. “Todo mundo erra e todo mundo tem o direito de corrigir o seu erro”, completou.

João Ribeiro

Mesmo com a aproximação do anúncio que o senador irá fazer, afirmando seu apoio à pré-candidatura do ex-governador Siqueira Campos, o PMDB ainda não descartou uma aliança com o Partido da República. “Vamos conversar com João Ribeiro”, informou Reis.

Na ocasião, o parlamentar lembrou que em reunião na casa do deputado estadual Sandoval Cardoso (PMDB), todos os seus correligionários votaram a favor de apoio ao senador nas eleições deste ano. “Depois, tomaram a decisão no outro dia para ter dois candidatos do PMDB” ao senado.

Neste sentido, o deputado foi enfático ao destacar que se o PMDB vai ter candidatura própria em toda majoritária, vai sozinho. “E sozinho, não se ganha eleição”, finalizou.