Economia

Cerca de 200 empreendedores se reúnem em Palmas nesta terça, 27 e quarta-feira, 28 na II Conferência Estadual de Economia Solidária para discutirem o atual cenário da política voltada para a inclusão produtiva no Tocantins.

A abertura dos trabalhos acontece no auditório do Palácio Araguaia às 19 horas desta terça-feira, 27 com o tema “Pelo direito de produzir e viver em cooperação de maneira sustentável”, e tem continuidade na quarta-feira, 28, no auditório da Unitins a partir das 8 horas com as palestras: “O desenvolvimento queremos, e como alcançá-lo?, e “Políticas públicas para o desenvolvimento que queremos”.

A II Conferência Estadual de Economia Solidária é fruto de nove conferências regionais que foram realizadas no Estado e que elegeram 144 delegados representantes dos municípios. Todas elas realizadas com a participação de órgãos públicos estaduais e federais, empresas públicas e privadas, organizações não-governamentais e principalmente de pequenos empreendedores da Economia Solidária. Os resultados e propostas desse encontro deve ser levado para a Conferência Nacional que acontece em Brasília nos dias 16, 17 e 18 de maio.

A Economia Solidária vem se destacando no país como uma alternativa de geração de renda para a inclusão social com iniciativas de organizações privadas, não-governamentais e do poder público. Dessa forma o Governo do Tocantins tem ações por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social com os projetos de fomento à Piscicultura; Agroindústria com as mini-fábricas de temperos e polpa de frutas; com a Confecção por meio do projeto Mãe Pioneira e AAfeto; Troca Solidária, entre outros projetos.

O Estado do Tocantins possui 502 empreendimentos de Economia Solidária cadastradas pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Esses empreendimentos estão divididos em associações, grupos informais, cooperativas e sociedades mercantis de capital e indústria. A maior parte está na zona rural e suas atividades produtivas variam desde a lavoura, cultivo de hortaliças, artefatos de palha, material reciclado, fabricação de doces, tapeçaria, fabricação de produtos da mandioca, entre outros. A comercialização desses produtos é realizada geralmente nas feiras livres dos municípios, exposições eventuais ou é vendido diretamente a clientes que encomendam.

Segundo José Celso Carbonar, membro do Fórum Brasileiro de Economia Solidária, o Estado do Tocantins tem avançado nesta área com a existência de cinco Fóruns Regionais Permanentes, os quais organizam e executam programas de educação popular, capacitações para empreendimentos e feiras da agricultura familiar.

Fonte: Ascom Secretaria do Trabalho Des. e Ação Social