Geral

O Ministério Público Federal no Tocantins promove nesta quinta-feira, 6, na Comunidade Lagoa da Pedra, município de Arraias, uma reunião para debater possível interferência de mineradoras em território quilombola. A iniciativa do MPF decorre de informações protocoladas na Procuradoria da República no Tocantins pela Associação da Comunidade Quilombola Lagoa da Pedra, sobre a intenção dos grupos empresariais Itafós Fertilizantes e Bunge de explorar minérios no interior do território por ela reivindicado.

Em seu ofício, a comunidade, que já é reconhecida pela Fundação Palmares, demonstra sua preocupação com as visitas dos técnicos das mineradoras realizadas em fevereiro deste ano, e afirmam desconhecer estudos, documentos ou projetos relativos à exploração da área. A comunidade tem aproximadamente 85 alqueires de terra, e foi titulada pelo Instituto de Terras do Tocantins (Itertins), que emitiu títulos individuais. Atualmente, negocia com o Incra a identificação, demarcação e titulação do território quilombola.

O procurador da República Álvaro Manzano também determinou a abertura de procedimento preparatório de inquérito civil, cujo objetivo é investigar a eventual interferência das mineradoras no território quilombola de Lagoa da Pedra. Entre as primeiras medidas do procedimento, entre as quais a realização da reunião, está a remessa de informações à 4ª e 5ª Câmaras de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal (Meio Ambiente e Patrimônio Cultural e Índios e Minorias).

O MPF também considerou que a defesa dos interesses das comunidades tradicionais, bem como do meio ambiente, exige o necessário licenciamento ambiental para qualquer empreendimento que provoque impactos significativos.

Instituições participantes da reunião

Bunge Fertilizantes

Prefeitura de Arraias

Naturatins

Secretaria Estadual de Planejamento

Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça

Incra

Ibama

Mineratins

Fonte: Assessoria de Imprensa MPF