Geral

O Governo do Tocantins fechou o primeiro quadrimestre com o pagamento de R$ 61.621,762,52 da dívida pública estadual. Desse montante, R$ 43.061.499,00 foram utilizados para pagamento de dívida externa e R$ 18.560.263,52 com quitação da dívida interna do Estado. Os números foram comemorados pelo governador Carlos Gaguim, lembrando que, apesar das quedas de receita, o Tocantins tem conseguido manter o equilíbrio em suas contas.

Para o governador, manter o crédito em dia, com os pagamentos das parcelas das dívidas nas datas de seus vencimentos, é uma prioridade. Ele explica que diante da crise econômica que assolou o mundo no último ano e das dificuldades de um Estado ainda pequeno como o Tocantins, conseguir não atrasar os compromissos financeiros que, aliados à manutenção da máquina administrativa e quitação da folha de pagamento dos servidores, representa uma grande vitória. “Quitar mais de R$ 61 milhões em dívidas é motivo para comemorarmos, pois se precisarmos, hoje temos facilidade de crédito em qualquer instituição”, ressalta Carlos Gaguim.

O crédito do qual fala o governador é constatado nos contratos de financiamentos que aportaram no Estado nos últimos meses. Em setembro do ano passado, quando Carlos Gaguim assumiu, a dívida pública do Tocantins era de R$ 607.673.527,77. Hoje, o saldo da dívida está em R$ 831.258.910,96, devido a novas operações de crédito para investimentos em infraestrutura.

“Fazer novos empréstimos, quando necessário, é normal em qualquer administração pública, principalmente quando o Estado tem crédito”, diz o governador. Ele compara um empréstimo a uma compra à prestação. “Quando o cidadão compra uma geladeira ou outro bem à prestação, antecipa o gozo dos benefícios desse bem. Da mesma forma, o governo busca crédito para antecipar o bem-estar da população. O governo poderia juntar dinheiro para, por exemplo, construir uma estrada daqui a 10 anos, mas é um negócio melhor contrair um empréstimo, que tem longo prazo de pagamento, tornar a estrada uma realidade em menos tempo e fazer com que o benefício dessa estrada gere mais renda para o Estado”, explica ele.

Crédito

Nos cálculos do governo, a dívida do Estado em nenhum momento é motivo de preocupação, pois com um controle financeiro rigoroso, prevê e mantém o pagamento de cada parcela na data de seu vencimento. Além disso, a dívida está longe de alcançar a capacidade de endividamento do Estado, que é igual a duas vezes à sua receita corrente líquida. Isso significa que o Tocantins pode contrair empréstimos em até, aproximadamente, R$ 7 bilhões.

Fonte:Secom