Geral

Foto: Koró Rocha

Em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã desta quinta-feira, 27, o deputado estadual Iderval Silva, líder do PMDB na Assembleia Legislativa afirmou que o presidente do partido, deputado federal Osvaldo Reis está em seu direito ao manter sua vontade de se candidatar ao senado na chapa do governador Carlos Gaguim (PMDB).

O PMDB já havia definido em reunião interna que os candidatos da legenda que iriam concorrer na senatória seriam o ex-governador Marcelo Miranda e o senador Leomar Quintanilha, ambos peemedebistas. Entretanto, o deputado afirmou que tudo ainda depende de negociações e que a decisão final será tomada pelo diretório regional do partido, e que ainda podem surgir outros nomes para ocupar este cargo na majoritária. “No final vai compor somente aqueles que o diretório definir”, completou.

Vaga para outros partidos

Outro ponto que ainda pode complicar a decisão das candidaturas peemedebistas ao senado é a composição com outros partidos. O PMDB ainda não descartou uma aliança com o PT e, depois das últimas reviravoltas utistas, o PP parece ser uma alternativa na composição do governador Gaguim. Para comportar estes partidos almejados pelo PMDB, o deputado destacou: “temos que ter uma vaga na majoritária”.

Disputas internas

Refutando as afirmações do presidente do partido, de que o PMDB vive uma guerra interna, Iderval ressaltou que este é o momento mais tranquilo da sigla, sem muitas divergências internas. Dentre estas pequenas divergências internas, o deputado lembrou do ex-governador Moisés Avelino (PMDB) que já declarou apoio a Siqueira Campos (PSDB) e o próprio Osvaldo Reis, que está com o PMDB, “mas pleiteando um cargo diferente”.

Invasões de bases eleitorais

Sobre as declarações de Reis de que candidatos estariam invadindo suas bases eleitorais, o líder do PMDB na AL afirmou que Osvaldo é um deputado atuante que possui votos em cerca de 80% dos municípios tocantinenses. “Para ninguém entrar na área que ele representa, fica difícil”, concluiu.

Confira na íntegra a entrevista de Iderval Silva