Polí­tica

Foto: Divulgação

A coordenação política de campanha do ex-governador Siqueira Campos (PSDB) vai aguardar a decisão do PP com relação à saída ou permanência do grupo. “Nós só vamos tratar do assunto quando houver uma posição oficial do PP, principalmente em respeito ao momento deles”, frisou Eduardo Siqueira Campos.

Eduardo lembra a amizade de 40 anos entre o presidente regional do PP, deputado federalLázaro Botelhoe seu pai, o ex-governador Siqueira Campos. “Reafirmo apenas que o povo do Tocantins não pode prescindir da presença do Lázaro que é uma presença honrada no Congresso Nacional, nem da prefeita Valderez que é aclamada nas ruas de Araguaina”, frisou.

Eduardo enfatizou que a coordenação não vai responder à “tentativas de intrigas”, disse, se referindo às especulações em torno da saída do partido da base utista. “Informação oficial apenas através da coordenação, nenhuma fonte fala por nós”, disse.

Eduardo afirmou que conhece a base do PP no Estado e que tem “absoluta certeza de qual é o desejo das lideranças”, frisou. “Temos na história elementos suficientes, fatos concretos e gestos que são válidos suficientes para que o PP continue onde sempre esteve honrando os quadros na nossa coligação”, disse.

Integração do PTB

Comentando sobre a decisão do PTB de apoiar a pré-candidatura do ex-goverandor, Eduardo parabenizou o presidente da legenda, José Geraldo de Melopor acatar a posição dos membros mesmo este tendo preferência pela reeleição do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB). Eduardo conta que o PTB estava na base de sustentação do governo para ajudar na governabilidade. “Emprestou seu apoio e seu voto para aquela eleição quando o Estado vivia o momento pós-cassação”, disse se referindo ao deputado José Geraldo.

O coordenador lembrou a votação dos membros do partido e disse que aguardaconversa com a comissão formada pelo partido para discutir a participação do partido nos quadros proporcionais. “Vamos aguardar dele a continuidade da forma como conduziu o partido”, disse.

Sem perdas

Eduardo negou a migração de lideranças do grupo para a base do governo. O coordenador lembrou as adesões dos senadores Kátia Abreu (DEM) e João Ribeiro (PR) e ainda do PV, através do deputado Marcelo Lelis. Ele citou também o deputado federal do PMDB, Moisés Avelino que optou pelo grupo. “Não há como dizer que estamos perdendo lideranças”, afirmou.

Confira a entrevista com o coordenador da campanha, ex-senador Eduardo Siqueira