Polí­tica

Foto: Koró Rocha

A discussão sobre a ação do PTN contra a entrega das 45 mil bicicletas doadas à Fundação Pioneiros Mirins, voltou à pauta de discussão na sessão da manhã desta quarta-feira, 16, na Assembleia Legislativa.

Em um breve comunicado, o deputado José Viana (PSC) fez duras críticas contra a ação que impede a entrega das milhares de bicicletas à Fundação Pioneiros Mirins. O deputado destacou ainda que esta atitude do governo foi “a mais limpa e mais desprovida de interesse político”.

De acordo com o deputado, esta foi uma atitude muito ruim por parte dos políticos da União do Tocantins que moveram a ação. O deputado destacou ainda não entender a atitude tomada para impedir a entrega dos veículos de transporte às crianças do projeto. “Antes brigavam por que os Pioneiros estavam desassistidos, e agora impedem de receber as bicicletas. Eu não entendo.”, destacou.

Viana não poupou críticas ao PTN, partido coligado a Siqueira Campos (PSDB), que moveu a ação contra a entrega das bicicletas. O deputado afirmou que o partido de Junior Luis “serve de cangalha para os outros”.

Questionamentos da oposição

O discurso de José Viana provocou reação da oposição ao governador no plenário. O deputado Osires Damaso (DEM) questionou a intenção do governo na entrega das bicicletas aos Pioneiros Mirins, afirmando que esta seria “uma forma de pressionar os pais dos alunos a apoiarem o governador” nas eleições deste ano.

Outro ponto levantado por Damaso foi uma suposta intenção por parte da base governista de culpar Siqueira Campos por ações que ele julga ilegais e eleitoreiras. Fazendo um franco ataque aos deputados aliados de Gaguim, o democrata afirmou que “daqui a pouco os deputados vão querer aparecer com dinheiro na cueca e, quando forem pegos, também vão botar a culpa em Siqueira”.

Já o deputado Raimundo Moreira (PSDB) criticou o período em que as bicicletas seriam entregues. Segundo o tucano, desde o princípio do mandato, o governador teve diversas datas festivas nas quais estes veículos poderiam ser entregues. Fazendo alusão ao período de governo de Gaguim, o tucano afirmou que “o governador teve o dia da criança, o natal, o ano novo, a páscoa e o dia do trabalho” para fazer a entrega.

O período em que as bicicletas seriam entregues também foi o principal alvo do deputado Marcelo Lelis (PV). O deputado reafirmou que o governo está desrespeitando a justiça, assim como feito, segundo ele, no caso dos comissionados. “Temos que respeitar a justiça. O Tocantins vai entrar mais uma vez na mídia nacional por uma eleição fraudulenta”, completou.

Defesa da base governista

O principal foco da defesa da base aliada de Carlos Gaguim foi o fato de a doação das 45 mil bicicletas ter partido de uma empresa privada, e não dos cofres públicos do Estado. A situação também justificou o período de entrega afirmando que o governo não teve tempo prévio para transformar o projeto Pioneiros Mirins em fundação e posteriormente conseguir a doação das bicicletas.

Este segundo ponto, inclusive, foi levantado pelo deputado Eli Borges (PMDB) destacou que o atual governo está atuando há cerca de 8 meses e que os processo de transformação de uma entidade em fundação requer tempo. “Depois demorou para conseguir uma doação”, completou para justificar por que da demora no repasse dos veículos.

O deputado também destacou a legalidade da doação por esta ter partido de uma empresa particular. “Se a iniciativa privada quiser vir e doar, pode. Não é ilegal”, finalizou.

O deputado do PR, Stalin Bucar fez coro com Eli Borges e respondendo a Raimundo Moreira, afirmou que se fosse usado dinheiro público, seria melhor para o governo usar uma data comemorativa para a entrega das bicicletas. “Como ele (Gaguim) não usou dinheiro público, teve que esperar a doação”, completou.

Paulo Roberto Ribeiro (PR) considerou um erro por parte do PTN e da UT em mover uma ação contra a entrega das bicicletas, e fez um apelo para que a oposição retire a ação do TRE. “Erro tem tempo de ser corrigido, retirem a ação”, finalizou. Paulo Roberto ainda culpou o PSDB e afirmou que o partido de Siqueira, quando percebeu o equívoco da ação contra a entrega das bicicletas, preferiu solicitar que o PTN assumisse a autoria da ação em seu lugar.

Paulo Roberto ainda criticou o pequeno partido e seu presidente, Júnior Luis, afirmando se tratar de um partido sem representatividade, tendo na presidência, uma pessoa que, nos últimos meses mudou de partido quatro vezes. “Ele (Junior Luis) já foi governo, oposição, já foi da prefeitura”, finalizou.