Geral

Foto: Divulgação

Em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta terça-feira, o presidente regional do Partido dos Trabalhadores e pré-candidato a deputado federal, Donizeti Nogueira negou que prefeitos do partido estejam apoiando a candidatura do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB).

De acordo com Nogueira, o prefeito da cidade de Colmeia, Ermilson Pereira (PT) simplesmente declarou que gostaria que seu partido firmasse coligação com o PMDB, mas que caso isso não ocorresse, permaneceria na base petista.

Este foi, de acordo com Donizeti, o mesmo caso do prefeito de Colinas do Tocantins, o ex-deputado estadual José Santana, que, em entrevista recente ao Conexão Tocantins, afirmou que as conversas entre petistas e peemedebistas continuam e que, segundo suas declarações, existiria a possibilidade de recuo do PT para apoiar a candidatura governista. No entanto, o presidente do PT rechaçou esta possibilidade ao afirmar que o prefeito José Santana não declarou apoio ao governador Carlos Gaguim. "Disse apenas que o partido está aberto a conversar com o PMDB”, afirmou Donizeti.

Conversas por sinais

De acordo com o presidente Donizeti Nogueira, PT e PMDB continuam seu diálogo sobre apoio para as eleições deste ano. “O PMDB quer o nosso apoio, e nós queremos o apoio do PMDB”, declarou. No entanto, sem entrar em muitos detalhes, frisou somente que o PT  vem conversando já há muito tempo com PMDB. “Nós estamos conversando por sinais”, declarou.

Contudo, Nogueira, mais uma vez decretou que o PT não desistirá da candidatura de Paulo Mourão e que aguarda um posicionamento de apoio por parte do PMDB ao seu candidato. Segundo ele, o partido merece o apoio do PMDB, “pois temos o melhor candidato, as melhores propostas e somos o partido da Presidência da República”.

Proporcionais petistas

O PT, para as eleições de 2010, aparece, até o momento, coligado com apenas dois partidos sem muita expressividade no cenário político estadual, o PCdoB e o PRB. Quando questionado se esta coligação não fragilizaria a candidatura petista, o presidente foi enfático ao afirmar que “o que fortalece o PT é justamente ter a candidatura própria”.

Segundo Nogueira, as pessoas de forma geral - e a imprensa especificamente - ao usarem as eleições passadas como comparativo na hora de traçar o cenário político atual, “vem usando de uma premissa errada”. De acordo com o presidente, nas eleições de 2006, o partido estaria bastante fragilizado e vinha trazendo um candidato ao senado inscrito na última hora, que era o atual senador Leomar Quintanilha, hoje no PMDB.

Na época, segundo Nogueira, o PT tinha ainda, somente dois candidatos a deputado federal que juntos, somaram menos de 40 mil votos no Estado. Donizeti justificou a má campanha da coligação petista na época por má organização do partido em formar a chapa. “Não tínhamos nos preparado para ter chapa a deputado federal”, completou.

Sobre as outras frentes coligadas

O presidente declarou que, mesmo com a proporcionalidade nas eleições, que podem eleger candidatos que não tenham tido votação expressiva nas eleições, a melhor opção para o PT será mesmo a candidatura própria, sem entrar em outras formações políticas.

De acordo com Donizeti, nas proporcionais, uma aliança com o PMDB não seria vantajosa para o PT por se tratar de uma coligação, segundo ele, forte. “Não valeria a pena disputar dentro daquela chapa por que a gente poderia levar votos para eleger outro que não do PT”, declarou.

Sobre a União do Tocantins, o presidente petista se resumiu a classificar a coligação de Siqueira Campos como mediana. “Não tem tanta expressão”, finalizou.

O presidente Donizeti Nogueira segue em Araguaina onde se reúne com lideranças locais. Depois, a caravana petista segue em visita à região Norte do Estado, onde passa por Xambioá, Praia Norte e Axixá.

Confira na íntegra a entrevista com o presidente do PT