Geral

A companhia aérea Gol será multada em cerca de R$ 2 milhões pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) pelos atrasos nos voos nos país desde o final de semana passada.

A Anac proibiu também a empresa de fazer novos fretamentos de voos charter até que a situação se normalize. Segundo a presidente da Anac, Solange Vieira, um problema no software operacional de escala da tripulação da Gol teria causados os atrasos, prejudicando centenas de passageiros.

Solange Vieira entende, entretanto, que a multa não é a melhor punição para uma empresa e, sim, as restrições operacionais de voos. O custo de um voo fretado que a companhia deixa de fazer representa um prejuízo para o seu caixa. Um voo charter com 150 assentos, por exemplo, ao preço de R$ 1 mil por assento, significa R$ 150 mil. Uma companhia faz, em média, 600 fretamentos por mês.

Uma falha não programada no software (programa de computador) operacional da Gol em avaliar o número de horas voadas pela tripulação provocou os atrasos nos voos da companhia aérea desde o final de semana passado, nos aeroportos de todo o país. A conclusão foi apresentada hoje (4) pela presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Paiva Vieira. Como os números informados à agência pareciam adequados, não houve como prever o problema, esclareceu.

A Anac constatou que a Gol estava, em julho, com uma tripulação maior e com um total de 130 voos fretados na última semana (30 a 1º/8), inferior ao da semana anterior (24 a 25/7). ”Então, só nos resta acreditar que o problema, realmente, foi um erro no sistema em avaliar o número de horas voadas pela tripulação”. Para a Anac, o que ocorreu foi um evento isolado.

Solange Vieira disse que a tripulação da Gol não deverá sofrer punições. “A tripulação não extrapolou o número de horas voadas. É importante deixar claro que nem a companhia fez pressão para que isso acontecesse, nem a tripulação extrapolou as horas voadas”, insistiu. O problema na escala da tripulação foi diagnosticado agora. Historicamente, a Gol nunca mostrou problema semelhante, afiançou a presidente da Anac. “Como o sistema errou, na hora de apurar os números agora, a gente está vendo [esse problema]”.

Para regularizar os voos, a Gol colocou em operação cinco Boeings de capacidade maior do que os aviões que circulam normalmente e prometeu fazer endosso imediato dos voos fretados.

Amanhã (5) pela manhã, a presidente da Anac vai sobrevoar, “em avião da Gol”, conforme salientou, os quatro principais aeroportos brasileiros (Santos Dumont, Galeão-Tom Jobim, Congonhas e Guarulhos) para acompanhar a situação e ver como a companhia se comporta em relação aos atrasos. À tarde, ela embarca para a Argentina, onde tratará da negociação bilateral de frequências aéreas.

Solange Vieira deixou claro que novos problemas em sistemas operacionais de companhias aéreas não estão descartados e podem voltar a ocorrer. Ela disse, ainda, que as conversas entre os funcionários da Anac e os pilotos da Gol não revelaram qualquer menção a uma eventual greve dos trabalhadores da empresa, que estivesse programada para o próximo dia 13. “Até agora, nenhuma informação nos confirmou indício de greve na companhia”.

Hoje, de acordo com dados da Anac, a situação nos aeroportos está próxima da normalidade. Os atrasos em 30 minutos da Gol, que atingiram 54% dos voos no último dia 2, caíram para 17%, enquanto o setor, no mesmo período, passou de 27% para 13%. Em relação aos atrasos em 60 minutos, a Gol saiu de 34% no dia 2 deste mês, para 4%, atingindo a média do setor. Do mesmo modo, o total de voos cancelados da Gol na segunda-feira (2), que era de 12%, já alcançou a média do setor (4%), informou Solange Vieira.

Por: Redação

Tags: Anac, gol, Solange Vieira