Polí­tica

Foto: Philipe Bastos

A segunda rodada da pesquisa Ibope/TV Anhanguera, divulgada na noite desta terça-feira, 14, mostrou o ex-governador e candidato ao Senado, Marcelo Miranda (PMDB) com 41% das intenções de voto para a disputa ao Senado, pontuando assim, como segundo favorito para a disputa. O crescimento com relação a primeira rodada foi de apenas 1%.

Marcelo, se pronunciou ao Conexão Tocantins nesta quarta-feira, 15, através de nota onde afirma que a pesquisa funciona como um termômetro nessa eleição.

No entanto, para o ex-governador a melhor base para analisar a aceitação de sua candidatura é através do corpo-a-corpo nas ruas e nos municípios. “É nas minhas caminhadas que percebo os anseios da população, a real necessidade do nosso povo”, afirmou o candidato.

Marcelo aponta ainda que pretende continuar nas bases nesses 18 últimos dias de campanha buscando diálogo com os líderes políticos. “Acho indispensável ouvir o eleitor e todos os políticos e lideranças compromissadas com o desenvolvimento do Tocantins, seja durante uma eleição ou depois dela”, afirmou.

O ex-governador relembrou a campanha de 2006 quando disputou com o candidato do PSDB< Siqueira Campos. “Na minha eleição anterior, alguns resultados apresentaram o meu opositor na frente. Em nenhum momento discordei desses Institutos. Respeitei os resultados e segui em frente, com mais garra. Preferi acreditar no sentimento que o eleitor me passava nas cidades por onde andei. Foi nisso que acreditei e deu certo”, pontuou.

Paulo Mourão (PT) aparece empatado com Vicentinho Alves (PR) com 31%.

Segundo os números, 13% dos entrevistados citaram apenas um candidato e 6% apontaram que vão votar nulo.

Indecisão

Marcelo continua na disputa mas ainda não teve seu registro aprovado no Tribunal Superior Eleitoral. A dúvida paira com relação à continuidade da candidatura do peemedebista, uma vez que pode ser enquadrado na Lei do Ficha Limpa.

O candidato ao governo, Carlos Henrique Gaguim (PMDB) já afirmou que acredita na possibilidade do colega de partido ser barrado no TSE. Para o presidente do PMDB, Osvaldo Reis, se Marcelo não passar no TSE também não conseguirá o aval para sua candidatura no Supremo Tribunal Federal, última instância para recorrer.

O grupo governista ainda não confirmou a intenção de substituir a candidatura do ex-governador.

Veja a nota na íntegra que o candidato encaminhou ao Conexão Tocantins:

"Eu sempre digo que as pesquisas são como um termômetro. Mas, por melhor que seja esse termômetro, não deixo de tomar por base um outro termômetro que considero infalível: o corpo-a-corpo com o eleitor, como sempre fiz. É nas minhas caminhadas que percebo os anseios da população, a real necessidade do nosso povo. A prova disso, sem desmerecer ou questionar nenhum trabalho de Instituto de Pesquisa, é que, na minha eleição anterior, alguns resultados apresentaram o meu opositor na frente. Em nenhum momento discordei desses Institutos. Respeitei os resultados e segui em frente, com mais garra. Preferi acreditar no sentimento que o eleitor me passava nas cidades por onde andei. Foi nisso que acreditei e deu certo. Acho indispensável ouvir o eleitor e todos os políticos e lideranças compromissadas com o desenvolvimento do Tocantins, seja durante uma eleição ou depois dela".