Polí­tica

Foto: Divulgação

Um grupo de deputados estaduais do Tocantins está fazendo uma campanha intitulada de “Solidariedade, um Santo Remédio” para receber doações de remédios que estão faltando no Hospital Geral de Palmas.

À frente da campanha, o deputado estadual José Geraldo de Melo (PTB) visitou vários veículos de imprensa inclusive o site Conexão Tocantins e ainda fez contatos com alguns empresários em busca de doação. “Existem mecanismo legais e estruturais que não estão funcionando na Saúde”, afirmou.

As doações de recursos financeiros são feitas através da Liga de Combate ao Câncer de Paraíso do Tocantins e direcionadas para o HGP para a compra dos remédios que estão faltando. “Estamos tentando fazer uma coisa para que ninguém perca um parente por falta de remédio”, disse o deputado.

O deputado apontou falha na gestão da saúde no Estado. “Está faltando uma boa gestão de uma forma geral”, frisou, completando ainda que o município de Palmas não está cumprindo com os atendimentos de baixa complexibilidade. “O HGP está recebendo o que não está sendo feito pela prefeitura”, salientou.

Segundo o parlamentar a campanha está ganhando a adesão de vários empresários e inclusive de médicos através da doação de amostra grátis.“Estou feliz com o trabalho que os parlamentares estão fazendo”, disse.

A arrecadação de remédios vai cessar assim que for sanada a demanda dos medicamentos. “É uma ação paleativa”, disse o deputado.

Novo imposto

Para o parlamentar a solução pode ser remanejar recursos para a área da saúde e não a criação de imposto específico para área da Saúde. José Geraldo criticou ainda a eficácia da CPMF que foi extinta em 2007.“Sou contra qualquer tipo de novo tributo”, salientou. Para o deputado é preciso debater um novo pacto federativo. “Não precisa se criar um imposto novo com esse direcionamento”, frisou.

“Nós vamos resolver o problema é com ação efetiva”, disse. Uma das saídas segundo o deputado seria coibir os desvios do dinheiro público e usar ferramentas modernas de gestão.

O deputado frisou porém que não quer responsabilizar todos os envolvidos na questão mas apenas mobilizar e provocar a sociedade para a necessidade de resolver efetivamente o problema. “A prefeitura assumindo a parte dela, o governo colocando o direito onde está faltando e o Ministério Público também fazendo sua parte, isso é o que vai colocar as coisas no lugar”, disse.

Questionado sobre o posicionamento do governador eleito Siqueira Campos (PSDB) com relação à campanha, o deputado disse que o tucano é a favor de todas as mobilizações em prol da saúde. “O ideal não é apagar incêndio e sim fazer com que o fogo não exista”, admitiu.

Falta de medicamentos

O deputado apontou ainda uma falta de consenso com relação á quantidade de remédios que estão faltando no HGP. Segundo José Geraldo são 62 medicamentos, já o secretário de saúde, Francisco Melquiades Neto informou através de ofício aos deputados que são apenas 12 que estão em falta. “Primeiro é necessário reconhecer o problema para que se possa resolver”, salientou.

Criticas e Emendas

A ação dos deputados sobre a campanha foi alvo de críticas por parte de alguns vereadores principalmente o vereador do PR Lúcio Campelo (PR) que chegou a se referir à campanha como “vaquinha”.

Campelo afirmou que os deputados deveriam direcionar emendas parlamentares para o HGP ao invés de arrecadar doações. “Emendas não é uma coisa que podemos contar, são apenas objeto de demanda política de véspera de eleição”, frisou José Geraldo, salientando que não teve suas emendas pagas pelo governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB).

“Essa campanha é algo mais, não estamos fazendo vaquinha, estamos mobilizando a sociedade para que as pessoas façam parte (da solução) do problema”, afirmou.