Polí­tica

Foto: Arquivo Conexão Tocantins Coimbra (C) quer pacificar o PMDB Coimbra (C) quer pacificar o PMDB

O deputado federal Júnior Coimbra (PMDB) que deverá ser nomeado como presidente provisório do PMDB estadual com a dissolução do diretório, salientou ao Conexão Tocantins na manhã desta quarta-feira, 16, que a atitude não foi de vingança, nem de perseguição contra o ex-deputado federal Osvaldo Reis.

“Não foi nada disso. Há muito tempo que os companheiros já tinham essa vontade.Dentro de dois dias coletei 70% da assinatura dos membros”, confirmou.

A direção nacional terá acesso às assinaturas dos membros do partido e depois deve nomear a comissão provisória que terá 90 dias para realizar outra eleição onde Coimbra pretende ser efetivado no cargo.

Metas

Falando sobre suas metas à frente da legenda como presidente, Coimbra frisou que quer pacificar a legenda.

Outra meta, segundo ele, é aumentar a representatividade do partido nas eleições do próximo ano. “Quero fazer o trabalho de visitação das bases, saber como está cada diretório. O PMDB veio só tem eu aqui em Brasília e no próximo ano não podemos diminuir o número de vereadores nem de prefeitos”, pontuou.

Coimbra pretende ainda levar lideranças importantes para a legenda. No entanto, não citou nomes. Indagado se a senadora Kátia Abreu (DEM) seria uma das sondadas para se filiar no partido, o peemedebista disse que não fez nenhum convite à democrata. “A senadora não conversou comigo a respeito disso, mas é claro que ela é uma grande líder que todo partido gostaria de ter”, disse.

Na nova eleição votarão apenas os deputados do partido e delegados principais, cerca de 150, conforme informou o PMDB.