Estado

Foto: Divulgação

Ações emergências de combate a fome e um plano estadual de segurança alimentar e nutricional foram as duas principais deliberações do primeiro encontro transversal para debater a fome no Estado. A reunião convocada pelo secretário da Setas – Trabalho e Assistência Social, Agimiro Costa, aconteceu nessa terça-feira,15 e contou com a presença do secretário das Oportunidades, Omar Hennemanm, o presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Paulo Rogério Gonçalves, a subsecretária de Assistência Social, Vicença Lino, o subsecretário de Polícia Comunitária, Jaison Veras, além de representantes das secretarias de Saúde, Educação, Agricultura, Planejamento, do Ruraltins, Vigilância Sanitária e Ministério do Desenvolvimento Agrário.

De acordo com o secretário Agimiro, o governador, Siqueira Campos (PSDB), tem o combate à fome como prioridade de seu governo. E o problema será enfrentado com uma ação transversal envolvendo as diferentes secretarias de estado. O secretário explicou, ainda, que providências já estão sendo tomadas para reformular e reativar projetos emergenciais de combate a fome: “A fome não espera, por isso, nesse primeiro momento precisamos de ações emergenciais, mas sabemos que a solução do problema passa por medidas mais amplas que exigem principalmente ações de educação e capacitação profissional”.

A nova proposta para os projetos emergenciais foi apresentada pela diretora de Segurança Alimentar e Nutricional da Setas, Karina Rodrigues Coelho. Segundo Karina os programas de aquisição de alimentos como o Compra Direta Local serão trabalhados em parceria com as Cozinhas Comunitárias e o Projeto Alimente. Com isso, a expectativa é oferecer refeições mais saudáveis e aumentar o número de beneficiários. Conforme o técnico do Ruraltins responsável pelo Programa Compra Direta, Adenieux Rosa, o programa possui um orçamento de mais de 14 milhões para os anos de 2011 e 2012 o que possibilita a aquisição de 4.270 toneladas em alimentos, o suficiente para atender 130 mil pessoas nos 139 municípios. Em Palmas, a Setas vai contar ainda com a parceria do Ceasa.

As ações irão além do emergencial como colocou o secretário das Oportunidades, Omar Hennemanm ao sugerir estratégias mais amplas que tenham foco na produção de alimentos, por meio do incentivo a agricultura familiar: “As ações emergenciais precisam começar com data marcada para encerrar. Precisamos de ações que gerem oportunidades das pessoas se tornarem cidadãs de verdade”. Concluiu.

As ações a médio e longo prazo foram apresentadas pelo presidente do Consea, que propõe a criação de um Plano Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional contendo um conjunto de ações em diferentes áreas que visa a melhoria das questões alimentares no Tocantins. O Plano é resultado de uma ampla discussão do tema com representantes municipais e a comunidade dos 139 municípios do Estado. Debate que se deu no ano de 2010 durante sete fóruns regionais de segurança alimentar. Segundo Paulo Rogério o Plano é uma diretriz que pode alavancar uma ação de governo no combate à fome e explica: “O projeto propõe uma câmara intersetorial para enfrentar o problema da fome e sugere ações com base em seis eixos: acesso universal a uma alimentação saudável e adequada; um sistema de produção e distribuição de alimentos; educação alimentar; ações específicas com as comunidades tradicionais; o fortalecimento de ações que articulem alimentação e saúde; e meios para acesso à água”, concluiu.

Fonte: Secom