Polí­tica

Foto: Divulgação

Em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã desta quinta-feira, 17, a deputada Solange Duailbe (PT) confirmou que pretende deixar a sigla, assim que tiver segurança para manter seu mandato. “Eu mantenho minha vontade de deixar o Partido dos Trabalhadores”, disse.

A deputada, no entanto, afirmou que ainda não definiu para que partido irá quando sair do PT. De acordo com ela, com a reforma política, aguardada para setembro deste ano, novas legendas deverão ser criadas e uma delas poderá ser a sua nova casa. “Eu aguardo até setembro. Devem criar novos partidos e eu poderei ir para um deles”, completou.

Solange frisou que existe o projeto de criação do Partido Democrático Brasileiro (PDB), encabeçado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, hoje no DEM. “Este novo partido vai estar junto à base da presidente Dilma (Rousseff, do PT)”, disse, dando a entender que pretende se manter próxima ao governo federal.

Causas para saída

Se mostrando bastante decepcionada com seu partido, Solange Duaillibe destacou que não teve o suporte necessário dentro do PT. “O partido onde eu sofri os maiores preconceitos foi o Partido dos Trabalhadores”, lamentou.

Entre as causas que justificariam sua saída do PT, Solange destacou a eleição para a presidência da Assembleia, na qual concorreu e não teve apoio de seu partido. Na ocasião, o PT acabou ficando sem representação da Mesa Diretora da Casa.

A deputada lembrou também do Recurso Contra Expedição de Diploma (Rced), movido pelo seu primeiro suplente, Ivan Vaqueiro (PT). “Eu ainda recebi um Rced de um membro de meu partido. Não tenho mais disposição, não tenho mais clima dentro do PT”, completou.

A petista destacou que não teme a perda de seu mandato com a mudança de partido. De acordo com ela, suas justificativas são o suficiente para que ela migre de legenda. “Eu vou construir minha saída com segurança e aguardar a reforma política para definir”, concluiu.