Estado

Foto: Edson Caldas

O Governo do Estado recebe na tarde desta terça-feira,1°, os soldados do 22º BIN - Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro, do Tocantins, que estiveram na missão de paz da ONU – Organização das Nações Unidas no Haiti. A chegada dos 30 soldados, ao aeroporto de Palmas, está prevista para as 15h, seguindo depois para o quartel do 22°BIN, onde os soldados serão recebidos por seus familiares.

A tropa auxiliou os haitianos durante seis meses, após a catástrofe provocada pelo terremoto que aconteceu em janeiro de 2010 e vitimou centenas de milhares de pessoas. Para o Tenente Coronel Marco António Martin da Silva, os militares tocantinenses cumpriram sua missão no Haiti. “O resultado é muito expressivo, os nossos homens viveram experiências importantes adquiridas nas comunidades pobres do Haiti. O pelotão combateu o crime, sem desenvolver ações violentas. E com certeza a tropa retorna dando mais valor ao nosso país e pronta para contribuir em ações humanitárias e no trabalho das polícias Civil e Militar”, ressalta.

Um dos momentos marcantes da missão, de acordo com o Tenente Coronel Marco Antônio, foi a atuação dos soldados brasileiros durante a realização das eleições presidenciais no Haiti, que se mostrou fundamental para acalmar os ânimos durante as manifestações políticas. “Os soldados brasileiros são muito respeitados e queridos pelos haitianos. E cantar o hino nacional deles em francês – língua predominante no país – é uma atitude amistosa que surte efeito imediato”, diz o Coronel.

Para serem enviados ao Haiti, os soldados passaram por treinamento completo, e foram avaliados quanto ao caráter e a moral. Os aspectos como voluntariado, disciplina e capacidade funcional também foram decisivos na escolha da tropa. Antes de partir para a missão, a tropa estudou francês, idioma oficial do Haiti. Os soldados do 22º Batalhão de Infantaria foram pioneiros nesta missão humanitária que, além do Brasil, contou com a participação de outras 31 nações.

Fonte: Secom

Por: Redação

Tags: 22º Batalhão, Haiti, Marco Antônio