Polí­tica

O relator do orçamento estadual Amélio Cayres (PR) que é também presidente da Comissão de Finanças e Tributação salientou que seu relatório é baseado nas questões técnicas e principalmente levando em conta as necessidades do Estado e das secretarias.

“Nosso relatório leva em conta a questão técnica e o acordo que fizemos com os órgãos”, frisou citando o Tribunal de Contas, Ministério Público, Defensoria e Tribunal de Justiça.

Amélio frisou que ainda tenta entrar em acordo com relação às emendas através do diálogo com os parlamentares de oposição, autores das proposições individuais.

A discussão na comissão, onde o governo tem maioria dos integrantes, será ainda na manhã desta quarta-feira, 30.

Uma cópia do relatório foi distribuída para cada parlamentar no entanto o deputado salientou que ainda conversa com relação às emendas.

Segundo um governista afirmou ao Conexão Tocantins uma alteração foi acordada com relação à destinação de recursos para o Fundo estadual Anti-drogas. O valor seria de R$ 2 milhões que deverá ser retirado de alguma pasta.

Outra questão que ainda é motivo de discórdia no orçamento é com relação ao repasse para a Assembleia, previsto em R$ 130 milhões.

Josi retira

A deputada Josi Nunes (PMDB) retirou suas proposições de emendas alegando que outros parlamentares já apresentaram com o memso foco. Josi reconhece porém que a retirada de recursos da comunicação iria prejudicar a pasta.

A deputada pediu cancelamento de recursos da Comunicação e do Planejamento e Modernização da gestão Pública.

Amélio frisa que seu objetivo é que a peça orçamentária seja aprovada por unanimidade.

A bancada de oposição apresentou duas emendas denre elas a que reduz o remanejamento do orçamento para apenas 10% . As individuais são do Vilmar do Detran (PMDB),Sargento Aragão (PPS) e Eli Borges (PMDB).