Polí­tica

Foto: Conexão Tocantins

Em visita ao Conexão Tocantins na manhã desta sexta-feira, 8, o deputado federal Angelo Agnolin (PDT) falou sobre as principais discussões na Câmara dos Deputados e ainda sobre questões políticas do momento.

O deputado frisou que estes primeiros meses de atuação foram de adequação e definições. “O aprendizado da Assembleia foi importante para operarmos na Câmara” salientou.

Agnolin diz que no geral o saldo é positivo principalmente com relação aos espaços conquistados na Câmara Federal e ainda nas instâncias do PDT.

O deputado, que é membro da Comissão Mista de Planos, Orçamento Público e Fiscalização da Câmara, afirmou que quer defender os interesses no Estado principalmente com relação às prioridades para investimentos. O parlamentar participa também da Comissão de Desenvolvimento Econômico.

Código Florestal

Durante a entrevista o deputado defendeu que tenha desmatamento com responsabilidade e que essa questão fique clara no Código Florestal que está em tramitação na Câmara.

Agnolin é contrário a “Moratória para o Desmatamento”, sob o argumento de que, proprietários de área rural que nunca infringiram as normas legais, não poderiam, em hipótese alguma, ser prejudicados. “Desde que esteja dentro da lei”, frisou. “Tem que manter prerrogativa de desmatamento para quem está dentro da lei e isso também vai ajudar os Estados”, afirmou.

Agnolin defende que tenha uma análise criteriosa sobre esse ponto para que não prejudique estados do Norte como o Tocantins. “Quem já desmatou já tem os mecanismos de compensação”, questionou.

O parlamentar frisou que é preciso fazer reparação no texto do Código. “Não tem como aceitar punir quem respeitou os parâmetros da lei. Não pode punir quem não desmatou”, salientou. Para quem já desmatou segundo o deputado, é preciso analisar as formas de compensação.

Agnolin defende ainda que seja esclarecido melhor o uso das APPs. “Nada é muito objetivo com relação ao que pode e o que não pode ser feito com a APP”, disse defendendo ainda a possibilidade de constar no texto a permissão para pequenas edificações.O deputado elogiou o texto do código e disse que a defesa que faz sobre alguns pontos é apenas para “clarear” melhor na prática.

Voto distrital

Questionado sobre seu posicionamento com relação ao voto distrital o parlamentar citou outras modalidades sugeridas nesta questão e frisou que ainda é necessário consenso em torno do assunto.

Agnolin defendeu envolvimento de líderes partidários neste aspecto e questionou ainda o crescimento de gastos de campanha dos candidatos. “O que precisa estancar na verdade não é nem o modelo de voto”, afirmou, defendendo uma lei que estipule medidas para financiamento de campanha.

O deputado defende uma investigação dura nesta questão dos financiamentos e contas de campanha. Os deputados estão discutindo na Câmara sobre alterações no modelo de escolha de candidatos nas eleições.

Política

Agnolin que assumiu a presidência do PDT regional salientou que a meta é lançar candidatos a vereadores e prefeitos nos municípios do Estado. “Vamos fazer um trabalho grande de aproximação e alianças” salientou.

Comentando as chances da vice-prefeita da capital Edna Agnolin (PDT) de construir uma candidatura à Prefeitura de Palmas, o deputado disse que é preciso primeiro formar uma aliança sólida com demais partidos e ainda ter apelo popular. “Quem precisa dar este sinal é a população”, afirmou.

“Nós do PDT vamos potencializar a candidatura da Edna, se dentro desse processo se ela tomar musculatura suficiente para ser a candidata aí sim”, frisou. O deputado disse que vê chances reais de Edna ser de fato a candidata.

Questionado se as dificuldades que a capital passa nesse momento principalmente com relação à infraestrutura pode fazer com que o apoio do prefeito Raul Filho (PT) à Edna traga efeitos negativos, o deputado disse que o prefeito está resolvendo todos os impasses e que superará esse momento .

Governo Estadual

O deputado que se mantém na oposição ao governador Siqueira Campos (PSDB) salientou porém que não tem atuado com tal postura.“Estamos mantendo o resultado das eleições eu não sou governo mas não agimos de maneira a questionar ou atrapalhar o governo” salientou.“Somos oposição sem fazer oposição”, completou.

O deputado salientou disse que não tem vínculo com a atual gestão mas que é preciso ainda de mais tempo para saber se haverá mudanças no relacionamento com o governo.

Agnolin comentou ainda a fatalidade que vitimou o trabalhador Everaldo Moraes de Araujo, 35 na última sexta-feira, 1º, durante uma ação policial. “Foi uma fatalidade que mostra um despreparo para o enfrentamento”, ponderou.

“Não havia necessidade de ir ao extremo que foi. Tem que preparar a tropa para isso. Apertar sempre é bom. É preciso ser sempre muito duro com a criminalidade só não pode permitir que haja descontrole”, afirmou.