Estado

Foto: Divulgação

A população, organizações governamentais e não governamentais, órgãos públicos e privados do Tocantins tiveram a oportunidade de apreciar e debater o projeto da Lei Estadual de Economia Solidária em uma audiência pública, nesta quinta-feira,07, no Palácio Araguaia. A reunião contou com a presença do governador Siqueira Campos, que expressou a disponibilidade do executivo em efetivar a Política de Economia Solidária no Tocantins: “O governo está pronto para fortalecer essa prática. Temos que aprovar essa lei o mais rápido possível para que possamos firmar parcerias”, declarou o governador.

O secretário do Trabalho e da Assistência Social, Agimiro Costa, afirmou ser fundamental discutir o projeto de lei para que, este, vá ao encontro das necessidades da população. “Queremos uma lei construída por todos e que possibilite um macro projeto de inclusão produtiva e melhoria da qualidade de vida”. Completou o secretário.

Reforçando a transversalidade, fator fundamental para o sucesso da Política Estadual do setor, participaram do debate os secretários; da Fazenda, Sandro Rogério, Ciências e Tecnologias, Borges da Silveira, Educação, Danilo Melo, Cultura, Kátia Rocha, Juventude/Esporte, Olyntho Neto e o presidente do Rulratins, Olimpio Mascarenhas. A Secretaria da Indústria e Comércio também foi representada por sua subsecretária, Leide Mota, e a Agricultura,por seu secretário executivo, Ruiter de Paiva. Já representando o Conselho Nacional de Economia Solidária esteve presente o conselheiro João Bosco Campos.

O secretário das Oportunidades, Omar Hennemann, iniciou os trabalhos com a palestra “Felicidade”, em que pontuou as alternativas propostas pela Economia Solidária e a necessidade das pessoas estarem motivadas e preparadas para aproveitar essas oportunidades.

O debate seguiu durante todo o dia e contou com importantes alterações e contribuições no texto da lei. De acordo com o diretor de Inclusão Produtiva da Setas, Valter Frota, já ficou marcada uma nova reunião com o Fórum de Economia Solidária, no dia 15 de abril, no auditório da Unitins.

Para a presidente da Asama – Associação Ambientalista Águas de Maio, Marilene Guimarães, a lei significa reconhecimento e esperança de apoio. “Acreditamos que, com a lei, teremos mais apoio do governo Federal, Estadual e Municipal” completou.

Economia Solidária

A Asama trabalha com reciclagem de garrafas pet e gera 10 empregos diretos e 10 mil indiretos no Tocantins. Na atividade da associação estão os valores fundamentais da Economia Solidária: autogestão, democracia, cooperação, solidariedade, respeito à natureza, promoção da dignidade e valorização do trabalho humano. Já existem no Brasil milhares de empreendimentos solidários, como cooperativas ou associações de trabalhadores, lojas de consumo solidário, empresas recuperadas e administradas por operários, entre outras. No Tocantins são 503 empreendimentos cadastrados, mas já existe uma proposta de um novo mapeamento para verificar os empreendimentos que foram abertos nos últimos anos.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Setas