Educação

Foto: Divulgação/Seduc

Novos alunos do Colégio Estadual de Cristalândia iniciaram suas pesquisas sobre a cultura africana dentro da programação do Projeto Batuque, iniciativa que levou a escola a ser conhecida no Brasil, pela excelência na aplicação da Lei 10.639/2003, que regulamenta a obrigatoriedade da temática “História e cultura afro-brasileira”, no currículo oficial da educação básica.

A estudante Dyhanyra Santos Bonfim, 15 anos, aluna do 2º ano do ensino médio, disse que já começou a pesquisar e está confiante que este ano, o Batuque envolva mais pessoas.

O Projeto Batuque é realizado na escola de forma multidisciplinar, de fevereiro a novembro de cada ano, tendo com referência o estudo da cultura africana e a contribuição do negro na economia e na formação da população.

A professora Elizabeth Aires Leite, é autora do projeto e durante a sua realização, acontecem atividades como construção de painéis, palestras, aula temática, oficinas de confecção de bonecas negras, oficinas de repercussão, baile de máscaras, jogos afro e danças.

Na fase atual, os alunos estão realizando os estudos teóricos e se preparando para o Baile de Máscaras, que será realizado no dia 29 de abril. A estudante Caroline Dalchiavon Gomes, 16 anos, explicou que no ano passado, a escola foi contemplada com recursos do Basa para desenvolver a oficina de percussão. Ela disse que foi uma experiência maravilhosa porque houve o envolvimento dos alunos, que todas as semanas planejavam uma apresentação para a comunidade escolar.

Premiação

O projeto Batuque deu a escola o Selo de Igualdade Racial, pela Seppir – Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, em 2011 e em 2006, o prêmio “Educar para a Igualdade Racial” promovido pelo Centro de Estudo das Relações de Trabalho e Desigualdades. A escola também recebeu o prêmio Ecofuturo de Educação para Sustentabilidade, em 2010.

Fonte: Ascom Seduc