Polí­tica

Foto: Divulgação

Uma ação estratégica das mulheres do campo e da floresta para conquistar reconhecimento social, assim é definida a Marcha das Margaridas organizada pela Contag – Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura e que tem como meta levar 100 mil mulheres de todo o país à Brasília para garantir as políticas públicas para as mulheres trabalhadoras rurais. No Tocantins a Marcha foi lançada nesta terça, 26, durante a reunião do Conselho Deliberativo da Fetaet – Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Tocantins e que teve a participação da deputada Amália Santana (PT).

Durante o evento Amália aproveitou para ressaltar a força feminina. “Aquele que diz que a mulher é o sexo frágil não sabe o que está dizendo, somos frágeis apenas na aparência, porque na hora do embate pra disputar os espaços somos mais fortes e queremos tratamento igual, sem desrespeitar os homens”, declarou. A deputada ainda incentivou as trabalhadoras a jamais desistirem da luta, “os avanços que temos tido na sociedade não vieram de graça, vieram de eventos como este, onde as mulheres mostram sua força e sua capacidade de organização para ocuparem seus merecidos espaços, a Dilma chegou onde está porque muitas se sacrificaram antes dela nessa luta”, disse.

Amália Santana também aproveitou para deixar às trabalhadoras e trabalhadores uma mensagem de otimismo e esperança relembrando sua própria trajetória, “sou filha de sindicalista como muitos de vocês e participei da luta no dia a dia e hoje tenho valorizado cada conquista. Cheguei ao mandato de vereadora conquistando um a um e também com muita luta cheguei à Assembleia para representar os homens e mulheres de bem desse Estado. Quero dizer a estas mulheres de coragem e também aos homens que não desistam, que não esmoreçam e que continuem as marchas porque o espaço está aí para todo mundo e aqui só vejo pessoas de coragem", afirmou a deputada.

Lançamento Marcha das Margaridas

Mais de 70 sindicatos filiados à Fetaet participaram do evento que contou também com a presença do deputado petista José Roberto, do presidente da CUT-TO, José Roque, do superintendente do INCRA, Ruberval Gomes, e demais lideranças. A 4ª edição da Marcha será realizada nos dias 16 e 17 de agosto, em Brasília e o Tocantins tem como meta levar mil mulheres trabalhadoras rurais.

Direito ao voto

Em requerimento apresentado na sessão desta quarta, 27, a deputada solicita do Executivo a adoção de medidas administrativas garantindo o exercício da cidadania por meio do voto em eleições presidenciais e estaduais, a Policiais Militares que por motivo de trabalho estejam fora de seus domicílios eleitorais.

Em sua justificativa, Amália Santana afirma que os direitos políticos são essenciais para as liberdades individuais de expressão, informação e consciência que se expressarão por meio de instrumentos de participação como o voto. Nesse sentido, a proposta pretende assegurar o livre exercício da cidadania, aos Policiais Militares designados para atuarem no dia do pleito fora de seus domicílios eleitorais.

Segundo a deputada, essa é uma reivindicação antiga dos policiais, “a constituição declara que o voto é um direito e também uma obrigação de todos os brasileiros maiores de 18 anos, isso obviamente inclui os policiais, temos certeza que com simples atos administrativos a situação pode ser organizada”, afirmou Amália Santana.

Fonte: Assessoria de Imprensa