Meio Ambiente

Foto: Divulgação

A senadora Kátia Abreu, subiu à tribuna do Senado Federal para rebater as informações divulgadas pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) sobre o aumento do desmatamento na Amazônia no Brasil.

Segundo a senadora, o sistema de detecção de desmatamento em tempo real do INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais demonstra exatamente o contrário, que o desmatamento no Brasil está em franca retração. “Comparem os números para simplificar”, disse a senadora.

Em 1995, o total do desmatamento no Brasil chegou a 29mil km². Em 2005, a 27 mil km². Segundo compromisso assumido na COP15, em Copenhague, a meta de desmatamento para 2020 deve ser de apenas 5.800 km². “Estamos a dez anos de cumprir o acordo estabelecido pelo governo brasileiro, mas já correspondendo em praticamente 100%, pois em 2010, somente 6.500 km² foram desmatados, de acordo com dados do INPE”, informou Kátia Abreu.

Na avaliação da senadora, “é no mínimo estranho” a informação do Istituto Imazon ser divulgada de forma tendenciosa, especialmente, nesse momento em que a Câmara dos Deputados é quase que unanimidade a favor da votação do relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

“O Código Florestal atual, sem modificação alguma, permite desmatamento com licença ambiental. Não é proibido desmatar no Brasil, mas não é esse o interesse dos produtores rurais. Aplicando tecnologia podemos aumentar, e muito, a produção de grãos e carne”, lembrou a senadora.

“Não podemos permitir que o Brasil seja a grande reserva legal do mundo. O único país que está abrindo mão de terras produtivas, de terras agricultáveis para o bem da natureza, é o Brasil. Nós precisamos, sim, preservar a natureza e cuidar da riqueza dos nossos biomas, mas não podemos abrir mão do produto nobre deste país. O que sustenta a economia nacional é o agronegócio”, declarou.

Fonte: Assessoria de imprensa da senadora