Geral

Foto: Divulgação

Em reunião com a ministra de Pesca e Aquicultura, Ideli Salvatti, o presidente do Consórcio Estreito Energia (Ceste), José Renato Ponte, reafirmou o compromisso do empreendedor da Usina Hidrelétrica Estreito (UHE Estreito) de apoiar e incentivar a atividade pesqueira na região. O encontro ocorreu na sede do Ministério, em Brasília (DF), e contou ainda com a participação do diretor de Saúde, Segurança e Meio Ambiente do Ceste, Dimas Maintinguer.

Na ocasião, José Renato Ponte apresentou à ministra Ideli Salvatti o projeto do Complexo Integrado da Pesca (CIP), assim como os benefícios que ele proporcionará aos pescadores da área de abrangência da Usina de Estreito, entre eles agregar valor ao produto da pesca de maneira sustentável

“O encontro foi muito proveitoso, porque tivemos a oportunidade de mostrar à ministra Ideli Salvatti, como tem sido o processo de implantação do projeto: com diálogo, transparência e em parceria com as Colônias de Pescadores”, destacou José Renato Ponte.

Orçado em R$ 4,8 milhões, o CIP conta com o apoio do Governo Federal, por meio do Ministério de Pesca e Aquicultura e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama). Esse compromisso foi oficializado por meio de um Termo de Cooperação assinado por estes órgãos e o Ceste, em julho de 2010.

O projeto foi elaborado por uma equipe do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenada pelo professor Gustavo Nunan, a partir de informações coletadas com os próprios pescadores. E ao ser concluído, foi apresentado aos representantes das Colônias de Pescadores para avaliação e anuência.

Hoje, as estruturas que integram o CIP estão com as obras avançadas e um comitê foi criado para coordenar e executar as etapas do projeto. São integrantes dessa comissão como titulares e suplentes (quatro vagas de cada), representantes do Ceste, MPA e pescadores – por meio das Colônias de Pesca. Além destes, participam na condição de ouvintes o Ibama, Museu Nacional/RJ, Agência Nacional de Águas (ANA), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Grupo de Aplicação Interdisciplinar à Aprendizagem (Gaia).

Fonte: Ascom Ceste