Estado

No Diário Oficial desta quarta-feira, 8, constarão 5.405 nomes de exonerados destes 5152 são comissionados e 243 são efetivos que perderão cargos de confiança.

No entanto o governo afirmou ao Conexão Tocantins que mesmo com as demissões pode não haver economia na folha de pagamento. “Pode ser que não haja economia de imediato”, salientou o secretário de Administração, Lúcio Mascarenhas.

O motivo, segundo ele, é que os salários serão equiparados com critério. “Antes a distribuição dos cargos era feita sem critério e agora será diferente”, garantiu.

No caso dos professores do cadastro reserva que serão chamados, por exemplo, todos ganharão o determinado no piso estadual e essa mesma adequação acontecerá em outros cargos, explicou o secretário.

Não há ainda um levantamento da estimativa do impacto das demissões na folha de pagamento.

Na próxima semana os aprovados no cadastro reserva da Saúde e da Educação devem começar a ser chamados. As vagas do quadro geral serão ocupadas por contratados temporariamente até o novo certame do Quadro Geral ser realizado.