Estado

Foto: Elias Oliveira

30 mil jovens e adultos alfabetizados por ano. Esta foi a meta apresentada na primeira Audiência Pública da Agenda Territorial de Desenvolvimento Integrado da Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos, realizada nesta terça-feira, 14, em Palmas. O evento reuniu representantes de entidades públicas e privadas para discutirem ações para a ampliação da alfabetização de jovens e adultos no Tocantins.

“Temos hoje no Estado 21 mil estudantes matriculados na EJA (Educação de Jovens e Adultos) e no Brasil Alfabetizado e ainda este ano serão abertas outras 10 mil vagas nessas modalidades”, anunciou Maximiano Bezerra, diretor de Educação Indígena e Diversidade da Seduc - Secretaria Estadual da Educação.

“A Agenda Territorial é um marco na Educação de Jovens e Adultos no Tocantins, porque vai resultar numa série de ações efetivas envolvendo entidades públicas e privadas com a intenção de minimizar os índices de analfabetismo no nosso Estado”, destacou a subsecretária de Educação Básica da Seduc, Marciane Machado que é também presidente da comissão da Agenda Territorial.

O secretário municipal de Educação de Palmas, Zenóbio Junior, elogiou a atuação da comissão da Agenda Territorial e pontuou a necessidade de melhorias de trabalho para os educadores da EJA. “Precisamos dar condições para os professores dessa modalidade, que geralmente lecionam o dia inteiro e acabam não rendendo o suficiente em sala de aula. É uma responsabilidade muito grande ensinar essas pessoas que ficaram tanto tempo longe da escola e estão em busca do conhecimento”, ressaltou.

Participaram da audiência pública representantes do Ministério Público, Conselho Estadual da Educação, UFT, Sintet, Sistema S, Undime – União dos Dirigentes Municipais de Educação, além de diretores das escolas públicas e particulares da capital.

Durante o evento foi assinado o Termo de Adesão à Agenda Territorial, que tem como meta consolidar estratégias de articulação entre poder público e sociedade civil para ações voltadas para a alfabetização de jovens e adultos.

O professor de matemática, Valter Francisco, é um exemplo de que a Educação de Jovens e Adultos é uma iniciativa de sucesso. “Terminei o Ensino Médio na EJA, depois de 8 anos sem estudar. De aluno passei a professor, coordenador e vice-diretor da EJA. É uma experiência muito gratificante”, relata emocionado.

Educação para reclusos

Foi apresentada ainda a intenção de expandir a EJA nas unidades prisionais do Estado oferecendo também cursos profissionalizantes agrícolas, de panificação e carpintaria para os alunos. “Talvez essa seja a única oportunidade da vida dessas pessoas, que mesmo na prisão poderão dar continuidade aos estudos e ter uma profissão”, explicou Maximiano. A qualificação dos professores e a confecção de material didático específico para a EJA também estiveram na pauta da audiência.

Outras 12 audiências públicas já estão marcadas para acontecer a partir de agosto nos municípios de Araguaína, Arraias, Araguatins, Dianopólis, Porto Nacional, Gurupi, Paraíso, Pedro Afonso, Miracema, Colinas, Guaraí e Tocantinopólis.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Seduc