Campo

Foto: Divulgação

Neste ano, as equipes de captura de morcegos hematófagos da Adapec – Agência de Defesa Agropecuária, já passaram pelos municípios de Paranã, Gurupi, Rio Sono, Santa Maria do Tocantins e Natividade. Na última quarta-feira, 15, a ação chegou a Região de São João, em Palmas e hoje, quinta-feira,16, na região da Serra do Carmo, saída para o município de Aparecida do Rio Negro. O objetivo é realizar o controle populacional destes morcegos, considerados os maiores transmissores da Raiva na zona rural.

Esta ação partiu da notificação de produtores rurais destas regiões que constataram a presença desses morcegos e a sugadura em animais. As equipes foram acionadas para tomarem as providências para a coleta de material para diagnóstico laboratorial e iniciar o processo de captura dos morcegos hematófagos, em redes apropriadas. Após serem identificados, recebem uma pasta com anticoagulante que é passada no dorso e posteriormente são soltos. Ao chegar à sua colônia, pelo hábito de assepsia, cada morcego tratado com a pasta é responsável pela eliminação de outros 20 da mesma espécie.

O controle da raiva em herbívoros, a exemplo de bovinos, equídeos e suínos, é feito por duas maneiras: o controle populacional dos morcegos hematófagos e a vacinação do rebanho. “Recomendamos aos produtores rurais a imunização dos animais contra a Raiva nos municípios onde há suspeita de sugadura dos morcegos ou onde foram registrados focos da doença”, garante o responsável pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros e outras Encefalopatias, José Emerson Cavalcante Gomes.

Sintomas

Após ser infectado com o vírus da raiva, o animal apresenta os primeiros sintomas: mudança de comportamento, se isolando do rebanho, perda de apetite, salivação abundante e dificuldade para engolir. Com a evolução da doença, tem movimentos desordenados, tremores musculares e ranger de dentes. Após algumas horas, apresenta paralisia dos membros e em até 10 dias ocorre à morte.

Fonte: Assessoria de Imprensa Adapec