Cultura

Foto: Divulgação

Centenas de fiéis e turistas lotaram as margens dos Rios Palma e Paranã para assistir a chegada da 33ª edição da Procissão Fluvial que aconteceu no último sábado, 25, em Paranã, a 360 km de Palmas. O evento faz parte dos Festejos de São João Batista e do Divino Espírito Santo encerrados no domingo, 26.

Este ano 22 embarcações participaram da comitiva, dentre elas o barco da Marinha do Brasil que conduziu os padres locais e as autoridades a convite da organização do evento. Os andores com as imagens de São João Batista e do Divino Espírito Santo, foram levados em barcos de moradores devotos. O senhor Manoel Carlos Batista, conhecido como ‘Guedinho’ é um destes devotos, e muito emocionado ajudou a coordenar a saída da Procissão. “Eu sempre participo e sinto a presença de Deus e do Divino nesta festa. É a fé que nos move até aqui e nos guia nas águas dos rios”, afirma o morador.

De acordo com os moradores todos os anos o município sofria com grandes enchentes nos rios Palma e Paranã e por isso resolveu-se realizar uma procissão fluvial. “No começo rezávamos pedindo a Deus que nos livrasse das cheias e isto aconteceu, agora rezamos em agradecimento”, explica a professora aposentada Floracy Bonfim Pereira de Araújo.

Ainda de acordo com a pedagoga em 1980 realizou-se a primeira procissão partindo da Igreja Matriz até o rio Palma, descendo até a confluência com o Rio Paranã e por este acima até o porto do Povoado do Espírito Santo. “Barcos grandes, pequenos, canoas e até as humildes ubás (embarcações rústicas) foram colocadas a disposição do maravilhoso acontecimento” relembra dona Floracy.

Anualmente todos os barcos e a Rua Rui Barbosa são enfeitados pelos moradores durante a madrugada, na conhecida “Noite das Canoas”. Há um clima de festa, de fé e de devoção que envolve todos os presentes. Dada a partida às 9 horas da manhã de sábado, “aqueles que ficam às margens entoam cantos e seguram bandeiras que tremulam no ar formando um contraste lindo entre as águas claras do rio e o vermelho das bandeiras” narra professora Floracy.

A narrativa da procissão nas palavras da pedagoga reproduz fielmente o que a comunidade acompanhou durante o evento. “Na confluência os rios se abraçam; o Rio Palma entrega ao Rio Paranã o sublime cortejo, agora são suas águas verdes e calmas que darão seguimento à linda comitiva em demanda do porto final”, conta professora Floracy.

Na chegada da procissão a comunidade recebe os andores e inicia uma caminhada pela centenária Rua Rui Barbosa devidamente ornamentada com grandes arcos recobertos com tecidos, balões, fitas e flores. Há cartazes e muitas flores nas portas das casas, cada morador se preocupa em revelar sua fé através da decoração da fachada de seus lares. Durante todo o trajeto há queima de fogos, foguetes, músicas sacras e louvores ao Divino.

A assistente social de Goiânia, Irene Barbosa, participou pela primeira vez dos festejos e afirmou que voltará em 2012. “Estou feliz por participar de uma festa tão bonita. Com certeza trarei mais pessoas para conhecer os festejos”, declarou.

“Este ano a festa foi especial, fizemos a Missa Campal e toda a comunidade pode participar. A Procissão é um espetáculo à parte pela beleza visual e demonstração de fé dos fiéis que nas embarcações ou nas margens participam massivamente”, destaca Pe. Márcio Alves Pereira, pároco de Paranã.

Coroação do Imperador

Na manhã do domingo, 26, a comunidade assistiu a leitura da sorte para a escolha dos homens que irão representar o imperador, o capitão do mastro, o encarregado da esmola-geral e todo o séquito do imperador na festa de 2012.

Da Redação com informações da prefeitura de Paranã