Estado

Foto: Marcio Di Pietro

Uma pesquisa realizada pela Fecomércio/TO em parceria com Confederação Nacional do Comércio – CNC, mostrou que o Índice de Confiança do Empresário do Comércio – ICEC, no Estado, teve um aumento em junho de 5,7% em relação ao mês anterior. Em maio os resultados apresentaram uma pontuação de 129,3, em contraste com os positivos 136,7 obtidos em junho.

A pesquisa consistiu em verificar junto a um grupo de mais de 120 empresários as expectativas para o setor econômico referente ao mês subseqüente. A metodologia adotada partiu de um conjunto de perguntas qualitativas referentes à economia, ao setor do comércio e às empresas. Tais perguntas qualitativas foram transformadas em um indicador numérico, variando de 0 a 200 pontos, o qual antecipa os resultados das Vendas do Comércio Varejista.

O índice 100 demarca um limite entre a avaliação de insatisfação e de satisfação dos empresários do comércio: abaixo de 100 pontos diz respeito à situação de pessimismo enquanto acima de 100 encontra-se a situação de otimismo. O comerciante tocantinense demonstrou estar confiante no crescimento do setor em julho, o que se pode perceber nos 136,7 pontos alcançados.

A pesquisa também destacou outros pontos importantes como a expectativa para a economia brasileira, onde 51,1% dos entrevistados acreditam que irá melhorar muito. Já 56,3% acham que o comércio continuará a crescer e 78,5% pretende ampliar o quadro de funcionários para atender ao aumento da demanda de consumo.

Esse crescimento contrastou com o resultado nacional que indicou uma queda de 3,1%. Segundo a CNC, a pesquisa mostra que comerciantes de todo o país estiveram mais cautelosos no mês passado e devem ajustar estoques, embora continuem com perspectivas otimistas para os números de 2011.

“Entretanto, apesar do menor otimismo, o sentimento do empresário do comércio é que o setor continuará apresentando crescimento superior ao da economia brasileira como um todo”, afirmou Carlos Thadeu de Freitas, chefe da Divisão Econômica da CNC. O economista destaca que varejistas de todo o país acreditam na manutenção do emprego e na queda da inflação, o que deve levar o setor e fechar o ano com alta de 7,2% nas vendas.

Para o Conselheiro Claudiney Leal, do Conselho Regional de Economia do Tocantins, esse otimismo se deve principalmente aos investimentos que o Estado vem recebendo. Segundo ele, tais recursos se transformam em mais postos de trabalho, que em longo prazo passam a ser definitivos, e faz com que haja um fomento ao consumo por parte das famílias. “Investimento gera mais emprego e renda e isso é percebido pelo comércio, que responde positivamente a esse cenário”, explica o economista.

O presidente da FECOMÉRCIO/TO, Hugo de Carvalho, avalia que esse resultado é reflexo de um trabalho integrado entre as instituições ligadas ao setor econômico do Estado. Carvalho, que também é empresário e partilha desse otimismo, conta que a instituição tem tomado medidas baseadas em estratégias focadas na real necessidade do empresariado. “Nós da Federação, assim como os demais parceiros, primamos por ações que estimulem a competitividade, a inovação e qualificação do setor, gerando maior estabilidade e possibilitando esse crescimento”, afirma o presidente.

Saiba Mais

A pesquisa do Índice de Confiança do Empresário do Comércio tem como objetivo produzir um indicador inédito com capacidade de medir, com a maior precisão possível, a percepção que os empresários do comércio têm sobre o nível atual e futuro de propensão a investir em curto e médio prazo.

Em outras palavras, é um indicador antecedente de vendas do comércio, a partir do ponto de vista dos empresários comerciais e não por uso de modelos econométricos, tornando-o uma ferramenta poderosa para o varejo, fabricantes, consultorias e instituições financeiras.

Da Redação com informações do Sesc