Polí­tica

Foto: Divulgação

Com a chegada do mês de agosto aumenta a insegurança de políticos e lideranças que pretendem se filiar no partido Social Democrático, ainda em fase de criação. Em artigo na Folha de São Paulo, um dos idealizadores da legenda, o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab chamou atenção para as perdas nas assinaturas. “O PSD tem acompanhado as denúncias feitas a jornais e a Tribunais Regionais Eleitorais e manifesta, mais uma vez, repúdio a toda e qualquer ilicitude nessa coleta”, afirmou no texto.

O impasse nas assinaturas de apoiamento estaria atrasando o pedido de registro da nova legenda no TSE. Um dos coordenadores do novo partido no Tocantins, deputado César Halum (PPS) confirmou que no Estado 30% das assinaturas devem ficar perdidas por erros nas fichas.

“Não deve passar dos 30% de perda”, frisou o deputado confirmando assim a perspectiva da senadora Kátia Abreu nesse sentido.

Lentidão nos cartórios

O deputado apontou ainda lentidão nos cartórios no processo de reconhecimento das assinaturas. “Em Araguaina por exemplo só o pessoal que é ligado a mim coletou 2.500 assinaturas e até agora o cartório ainda não liberou”, afirmou.

O cartório certifica as assinaturas de acordo com a folha de votação do último pleito. No Tocantins a expectativa é de que ao todo 20 mil assinaturas sejam certificadas lembrando que são necessárias 500 mil assinaturas para solicitar no Tribunal Superior Eleitoral o registro do novo partido.

Insegurança

Mesmo com a demora o deputado se mostra otimista com a segurança jurídica da legenda principalmente para quem pretende disputar no próximo ano. “Eu tenho convicção de que no máximo até dia 15 de agosto o partido será registrado”, disse.

Segundo o parlamentar, os 20 diretórios municipais necessários para a criação da legenda também já estão estruturados no Estado.