Cultura

Foto: Fernando Alves

O Projeto 5ª Cultural do Banco da Amazônia, em parceria com a Fundação Cultural de Palmas apresenta a comédia “Dois idiotas sentados cada qual no seu barril”, do Grupo Chama Viva, amanhã, quinta-feira, 18 no Teatro SESC Palmas. O público palmense poderá conferir a 21ª montagem teatral do Chama Viva, baseado na obra da escritora Ruth Rocha. Para contemplar ao espetáculo, basta trocar 2 kg alimentos por um ingresso a partir das 14h do dia 18 no Teatro Sesc.

A terceira edição do 5ª Cultural traz uma encenação divertida, engraçada e leve tendo como fundo uma reflexão sobre o homem, promete o diretor e ator da peça Nival Correa. “A montagem se apóia no conflito entre dois personagens que em tempos de globalização e de forte apelo às relações virtuais o Grupo Chama Viva acredita ser um ponto máximo que somente o teatro continuará a exercer, pois é uma arte viva, capaz de colocar o homem com seus conflitos éticos e morais diante de si mesmo, fazendo-o refletir e também divertir, função essencial do teatro” disse o diretor.

O 5º Cultural foi criado pelo Banco da Amazônia, para valorizar e promover a cultura regional, contribuir com o surgimento de novos talentos e sensibilizar a formação de novos públicos consumidores de cultura, o projeto 5ª Cultural é realizado em Palmas com a parceria firmada junto a FCP. Outro ponto relevante do projeto é o fato de estar atrelado à causa social, já que para ter acesso às apresentações, o público contribui com alimentos para serem doados a instituições de cunho social que estejam cadastradas no Banco da Amazônia.

Sinopse da peça

Os personagens Teimosinho e Mandão passam a vida medindo forças, gerando um jogo carregado de conflitos onde o poder é o prêmio e, também, motivo de insanidade, favorecendo a pré-disposição humana ao egoísmo e ao desrespeito mutuo.

A intolerância é a tônica do espetáculo revelando a imbecilidade humana onde os dois personagens, cada um em cima do seu barril de pólvora, discutem o tempo todo sobre quem vai atirar primeiro o fogo no barril.

O duelo é feito com muita graça e leveza onde Teimosinho e Mandão chegam a remeter o expectador a lembranças de personagens consagrados na memória do público como o Gordo e o Magro, os Irmãos Marx e a famosa rivalidade supostamente existente entre Buster Keaton e Charlie Chaplin.

Sobre o projeto

Projeto 5ª Cultural, teve início em agosto de 2000, em Belém - PA, de iniciativa e realização do Banco da Amazônia e em 2002 foi estendido para as 13 capitais onde o Banco atua. Foi criado para valorizar e promover a cultura regional, contribuir com o surgimento de novos talentos e sensibilizar a formação de novos públicos consumidores de cultura, o projeto 5ª Cultural é realizado em Palmas com a parceria firmada junto a Fundação Cultural de Palmas.

A ação reúne o social, cultural, econômico e filantrópico em um só projeto. Possui em seu histórico evidenciar a cultura como elemento de transformação social, de transmissão de conhecimento e de formação de censo crítico.

Os investimentos, geralmente realizados em grandes projetos culturais, ganham maior força institucional se for atrelado à causa social, como é o caso do 5ª Cultural, que durante esses anos, já arrecadou, aproximadamente, 1973 mil quilos de alimentos, em que 514 instituições foram beneficiadas, atendendo, aproximadamente, 52 mil pessoas.

No projeto já se apresentaram mais de 450 artistas, contribuindo para o surgimento de novos talentos, além de beneficiar instituições assistenciais e filantrópicas com os alimentos arrecadados nos eventos.

Chama Viva e a obra de Ruth Rocha

Uma das marcas do Grupo Chama Viva ao longo dos últimos 26 anos tem sido a realização de espetáculos baseados em obras de grandes autores e sintonizado com uma estética apoiada na pesquisa e no aprimoramento dos elementos que compõe a arte teatral. Ruth Rocha é uma das mais importantes escritoras brasileira e a peça Dois idiotas sentados cada qual no seu barril remete o expectador a uma reflexão sobre a intolerância, tema que é explorado com leveza e graça através da atuação clawnesca dos atores Juliano Gomes e Nival Correia.

A obra de Ruth Rocha é a vigésima primeira montagem do Grupo Chama que já encenou textos de Federico Garcia Lorca, João Bithecourt, Pedro Tierra, Groucho Marx, Bertolt Brecht, Luiz Alberto de Abreu, Ziraldo, Pierre de Marivaux, dentre outros.

A montagem é dirigida a toda e qualquer pessoa que se dispor a prestigiar o resultado de um trabalho de pesquisa que vem sendo desenvolvido há anos pelos atores Juliano Gomes e Nival Correia. A cenografia é simples e utilitária com todos os objetos de cena confeccionados com material reciclável pela artista plástica Sandra Oliveira.