Saúde

Foto: Divulgação

O relatório de dois meses de gerenciamento da Organização Social Pró Saúde em 17 hospitais estaduais apontou mais de 100% de cumprimento das metas estabelecidas pela Sesau – Secretaria de Estado da Saúde no contrato com a Instituição, segundo informações e dados do governo.

No HGPP – Hospital Geral Público de Palmas, por exemplo, a meta estabelecida pela Sesau para altas hospitalares era de 1.097 pacientes/mês. Em setembro 1.166 pacientes receberam alta na unidade e em outubro 1.265 pacientes, superando a meta.

A economia alcançada também foi 150% superior à meta estabelecida no contrato. “O que estabelecemos como meta no contrato com a Pró Saúde era de diminuir em 5% os custos operacionais desses 17 hospitais e dois meses depois obtivemos um resultado mais do que o esperado, com este índice chegando a 13% de redução de custos”, destaca o secretário de Estado da Saúde, Arnaldo Nunes.

Com a atuação da OS, o custo por paciente internado caiu de R$ 7 mil para R$ 6,2 mil em apenas dois meses. O que permitiu à Sesau aumentar em 20% o número de internações e consultas e garantiu o início do processo de “desafogamento” das demandas por cirurgias eletivas.

Durante os dois meses de gerência da Pró Saúde nas 17 unidades hospitalares, foram realizadas mais de cinco mil cirurgias. O que representa 10% de aumento nesses procedimentos em relação ao período em que a OS não atuava nas unidades.

O diretor operacional da Pró Saúde no Tocantins, Rogério Kuntz, disse que “as novas rotinas, implantadas pela OS para a organização de fluxo do prontuário do paciente; as consultorias Médica e de Enfermagem que introduziram modificações nos processos, principalmente em prontos-socorros e centros cirúrgicos, resultaram na diminuição do tempo de permanência do paciente na unidade, proporcionando maior giro de leitos e diminuindo o tempo de espera por procedimentos”.

Todas as Unidades Hospitalares tiveram reparos na estrutura, como pintura de fachadas, reforma de telhados, tratamento de pisos, manutenção de ar-condicionado, consertos de vazamentos e infiltrações.

Foi feita a regularização dos estoques de materiais e medicamentos nas Unidades Hospitalares e, implantado um novo cardápio, tornando as refeições mais nutritivas. No HGPP foi reposto o enxoval do centro cirúrgico, com investimentos no valor de R$ 150 mil em kits de roupas cirúrgicas descartáveis. Foram comprados também 300 metros de tecido para confeccionar, por conta própria, roupas e lençóis.

Aprovação

Na pesquisa de satisfação do usuário, os hospitais obtiveram índices (bom e ótimo), ou seja, acima dos 60% estabelecidos como meta pelo contrato. O maior índice foi o do HPDT – Hospital Público de Doenças Tropicais, em Araguaína, com 93%. O HMPDR – Hospital e Maternidade Pública Dona Regina, em Palmas, teve o índice de 83%, já no HGPP o índice foi de 74% de satisfação.

A pesquisa foi realizada nos 17 hospitais do Estado, por meio de uma ferramenta eletrônica, onde estão inseridas perguntas relacionadas ao atendimento recebido na recepção, avaliação da equipe de enfermagem, avaliação da equipe médica, avaliação das instalações físicas, limpeza e outras. Foram ouvidos os pacientes dos Prontos Socorros, Ambulatórios e Internações.

“Montamos na recepção dos hospitais, um sistema de informações sobre a disponibilidade de leitos e orientações para os visitantes, incluindo o serviço “Posso Ajudar”, uma forma diferenciada de recepcionar o usuário, com orientações necessárias para o atendimento adequado a cada situação”, explica Kuntz.

Esses procedimentos fazem parte do SAU – Serviço de Atendimento ao Usuário, que esclarece dúvidas, registra queixas e encaminha as demandas para a resolução.

Outras metas estabelecidas pela Sesau e cumpridas pela Pró Saúde foram a regularização dos estoques de materiais e medicamentos, e a reposição do enxoval do centro cirúrgico e dos kits de roupas cirúrgicas descartáveis.

Tecnologia

A Pró Saúde iniciou a informatização, em rede, das unidades hospitalares gerenciadas. Com isso, as informações sobre pacientes, leitos, consultas, medicamentos etc poderão ser acessadas de qualquer unidade gerenciada, além da Sesau, facilitando o atendimento aos pacientes e o controle de estoques, leitos, consultas, exames etc.

Já foi entregue e disponibilizada toda a infra-estrutura (rede e equipamentos) para cada hospital. Os servidores dessas unidades estão sendo capacitados em Tecnologia da Informação para manuseio do sistema.

Por fim, o relatório de dois meses de gerenciamento da Pró Saúde em 17 hospitais da rede estadual no Tocantins aponta as reformas e ampliação da estrutura física e os investimentos em equipamentos. (Ascom Sesau)