Polí­tica

Foto: Márcio Vieira

O governador Siqueira Campos (PSDB) passou o cargo para o vice-governador João Oliveira (PSD) em razão da viagem que fará ao Japão com secretários e outros auxiliares de governo.

A solenidade de transmissão contou com a participação de maioria dos auxiliares do primeiro escalão bem como o presidente da Assembleia Legislativa, Raimundo Moreira (PSDB). O secretário chefe da Casa Civil fez a leitura do termo de afastamento temporário do governador.

O presidente regional do PSDB e secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Ernane Soares Siqueira foi também inserido de última hora na comitiva que acompanhará o governador. Em seguida, Siqueira fez a assinatura do termo.

Em seu pronunciamento o governador disse que será uma oportunidade promissora para o Tocantins. “Eu vou atrás de alguma coisa que vai dar muita alegria para muita gente”, salientou.

Siqueira lembrou que a constituição permite que ele o chefe do Executivo fique até 15 dias fora do País sem que o vice assuma. Inclusive vale frisar que a Secretaria Estadual da Comunicação chegou a divulgar que o João Oliveira não assumiria. “Entrego em suas mãos honradas o governo do Tocantins”, disse o governador.

PSD no governo

O governador disse que o Estado fica em boas mãos e que confia inteiramente no vice-governador. “Nesses 11 dias ele vai conduzir o Estado”, salientou. A senadora Kátia Abreu, uma das maiores lideranças do PSD, participou da transmissão de cargo. “Ele está à altura, é experiente, homem que veio de uma vida dura, e sabe muito bem que nós temos um patrão que precisa de muita coisa: o povo”, afirmou.

Todos os setores da administração, inclusive a Segurança Pública, precisa funcionar perfeitamente para atender o povo, pontuou o governador. ‘Não temos o direito de administrar mal o pouco dinheiro que o Estado tem”, frisou citando a necessidade de contribuição dos empresários e da sociedade.

Em seu discurso após assumir o governo, o vice afirmou que é difícil substituir um homem com a história de Siqueira Campos, "um homem de história, determinado e que sem ele nós não estaríamos aqui”, disse. O vice-governador disse ainda que fará todo o esforço possível para que o governo continue nos trilhos.