Educação

Foi divulgado nesta quarta-feira (23), pelo presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, a edição do Selo OAB de 2011, com a indicação dos cursos de Direito avaliados pelo Conselho Federal da OAB como os de melhor qualidade do País, estado por estado. Num universo de 1.210 cursos existentes no Brasil atualmente, apenas 90 cursos, ou 7,4%, acabaram sendo recomendados, entre os indicados está a Universidade Federal do Tocantins, a única indicada no estado.

Confira a lista completa no site http://www.oab.org.br/arquivos/pdf/Geral/Programa_OAB_Recomenda.pdf

Para a pró-reitora de graduação da UFT, Isabel Auler, o destaque do curso de Direito é resultado de um esforço coletivo do curso e da própria instituição, no sentido de estar voltada para a qualidade do ensino e qualidade na formação de profissionais, tudo isso visando se tornar referência na área de Direito no estado e também no Brasil. “Esse posicionamento na busca da excelência tem sido a meta de todos os professores e gestores e o resultado mostra isso”, afirma ela.

“Esta certificação da OAB vem coroar todo o trabalho e emprenho da Universidade para a consolidação do curso de Direito no Tocantins. Esta consolidação não foi simples, inicou-se com a nomeação de professores efetivos, alteração do projeto pedagógico do curso, empenho do corpo docente e discente em desenvolver projetos de pesquisa e extensão. Ademais, o bom desempenho dos acadêmicos no Enade e no próprio exame da OAB, sempre ficando acima da média nacional, corroborou para esta certificação”, explica o coordenador do curso de Direito, Vinicius Marques.

Avaliação - Do total de cursos de Direito do país, 791 foram avaliados depois de preencherem os pré-requisitos de ter participado dos três últimos Exame de Ordem unificados, sendo que cada um precisou ter, no mínimo, 20 alunos participando de cada Exame. Em seguida, para apurar os 90 cursos de qualidade recomendada, a Comissão Especial - integrada por advogados, que são professores e especialistas em educação jurídica - utilizou como instrumentos de avaliação uma ponderação dos índices obtidos por eles em aprovação nos Exames de Ordem (2010.2, 2010.3 e 2011.1) e no conceito obtido no último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), realizado em 2009. (Com informações da OAB)