Estado

Foto: Frederick Borges

Para a administração do Estado, o ano de 2012 começou realmente movimentado, principalmente por conta das eleições municipais previstas para outubro. Prova disso são as mudanças no primeiro escalão do governo, promovidas pelo governador Siqueira Campos (PSDB), já no dia primeiro de janeiro. Além da troca na Secretaria Estadual da Saúde, onde Arnaldo Alves Nunes deu lugar ao atual secretário, Raimundo Nonato Pires dos Santos, conhecido como Raimundo Boi, o segundo escalão também sofreu alterações por conta das eleições deste ano.

As principais delas aconteceram nas Regiões Administrativas, onde quatro subsecretários já deixaram seus cargos. Alguns deles, como a Goiaciara Cruz, em Gurupi, são pretensos candidatos em suas respectivas cidades.

Em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã desta terça-feira, 3, o secretário estadual do Planejamento e Modernização da Gestão, Eduardo Siqueira Campos, informou que essas mudanças em período eleitoral são normais por conta da vontade dos titulares em disputar as prefeituras e câmaras de seus respectivos municípios. “Isso tudo faz parte do processo dentro da administração. Algumas pessoas que vão participar do processo eleitoral este ano, vão deixar seus cargos”, afirmou.

Além disso, o secretário ainda destacou que podem ocorrer mudanças mais profundas no cerne das Regiões Administrativas. De acordo com ele, a meta inicial, promovida durante a campanha eleitoral de 2010, pelo então candidato Siqueira Campos, que era a criação de 18 grandes regiões administrativas, pode ser revista ainda este ano em Projeto de Lei a ser encaminhado para aprovação na Assembleia Legislativa. “O governador entendeu que não devemos fazer um processo tão amplo e não vamos conseguir instalar, dentro da situação atual, todas as Regiões Administrativas”, salientou.

Eduardo não quis adiantar o teor do projeto que está em fase de estudo e elaboração pela equipe de governo, mas frisou que a meta de Siqueira Campos é reduzir as 18 regiões administrativas em núcleos maiores, e em menor número. “Ele deve escalonar as implantações (das Regiões Administrativas). Ele deve fazer a previsão para implantar um novo tipo de núcleos das regiões”, explicou.

Segundo informou o secretário, o projeto de lei para a revisão das Regiões Administrativas deverá ser encaminhado ainda no final do primeiro semestre deste ano. “Estamos começando os estudos. No final do período enviaremos um Projeto de Lei para que essa descentralização administrativa possa ocorrer de uma forma definitiva”, finalizou.