Campo

Foto: Divulgação

Os produtores irrigantes do Projeto Manuel Alves, no município de Dianópolis, região Sudeste do Tocantins, estão se organizando para dar andamento à criação do Distrito de Irrigação do Perímetro Manuel Alves. Para tanto, a Secretaria Estadual da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro), em parceria com a CMT Engenharia, empresa responsável pela implantação do projeto, se reunirão com os produtores para uma assembleia geral de constituição. A reunião está marcada para esta sexta-feira, 28, às 13 horas, no canteiro de obras do projeto.

A reunião, além de tratar de assuntos ligados aos projetos agrícolas, vai debater sobre análise e estatuto social, procedimentos aplicados à eleição, posse do Conselho Administrativo e do Conselho Fiscal do Distrito de Irrigação. Segundo o engenheiro agrônomo, José de Assis, a criação do Distrito é de grande relevância para que o projeto seja consolidado efetivamente. “Com a implantação do Distrito, os irrigantes poderão conseguir novas conquistas para levar o projeto à frente, produzir e gerar renda para os agricultores familiares do projeto Manuel Alves”, destacou.

Para o secretário Executivo da Seagro, Ruiter Pádua, é fundamental que os produtores assumam a operação do Distrito, reforçando a necessidade da criação de uma cooperativa para orientá-los, tanto na administração, produção e negociação, quanto nas demandas e solução de pendências. “O Governo do Estado está fazendo sua parte, reestruturando a infraestrutura e a regularização da documentação. Queremos que o projeto comece a produzir em grande escala e traga benefícios e desenvolvimento para a região”, disse o Secretário Executivo.

Projeto Manuel Alves

Projeto de fruticultura irrigada Manuel Alves, um dos maiores do Brasil, fica em uma área de 20 mil hectares, em terras dos municípios de Dianópolis e de Porto Alegre do Tocantins (TO) e destina-se principalmente à exploração da agricultura irrigada (fruticultura tropical). Por enquanto, 47 lotes estão ocupados, produzindo e empregando uma média de quatro pessoas por lote, gerando 168 empregos. (Ascom Seagro)