Campo

Foto: Fred Alves

A colheita das lavouras mais precoces de soja já começou na região de Pedro Afonso. Nesta segunda-feira, 6 de fevereiro, começaram a chegar ao armazém da Cooperativa Agroindustrial de Pedro Afonso (TO) (Coapa), os primeiros caminhões carregados com a oleaginosa.

Na Fazenda Brejinho, da família do agricultor João Damasceno de Sá Filho, foi plantada uma área de 1.130 hectares em outubro do ano passado. A colheita está prevista para terminar no começo de abril, em uma área semeada recentemente. Os grãos são enviados para o armazém da Coapa após passarem por uma pré-limpeza na própria propriedade.

Moacir Catabriga plantou uma área de 550 hectares e deve colher no início do próximo mês de março. “A boa distribuição das chuvas e pouco ocorrência de pragas vai garantir uma boa produtividade”, disse com otimismo o sojicultor.

Na safra 2011/2012, 44 agricultores associados a Coapa plantaram uma área de 20.321 hectares de soja em Pedro Afonso, Bom Jesus do Tocantins, Tupirama, Centenário, Itacajá, Miracema do Tocantins e Rio dos Bois. Foram plantadas 13 variedades do grão, sendo quatro do tipo precoce, seis do ciclo médio e três do tipo tardia. O plantio começou na segunda Foram gerados cerca de 280 empregos diretos.

A gerente da Unidade Agroveterinária da Coapa, Érica Lima Brito, explicou que graças a tecnologia utilizada e as condições climáticas ideais a meta é atingir uma produção de 55 sacas de soja por hectare, quatro a mais do que na última safra. Conforme a engenheira agrônoma, a equipe técnica realizou 65 visitas de acompanhamento em fazendas produtoras de soja nos municípios de Pedro Afonso, Bom Jesus do Tocantins, Tupirama, Santa Maria do Tocantins e Itacajá. Os sojicultores receberam orientações sobre manejo correto da lavoura, tratos culturais (aplicação de fungicidas, herbicidas e adubos foliares), identificação de possíveis pragas e doenças, entre outras dicas importantes.

Manutenção

No armazém da Coapa, considerado o maior do Estado, foi feita uma grande manutenção nas instalações para receber a safra. Entre os trabalhos constam: limpeza geral e reparos em cercas; substituição de peças nas moegas e secadores; pintura das instalações (silos, escritório da administração, depósito e cercas); reparos nas instalações hidráulica e elétrica; substituição de partes da estrutura metálica do teto e laterais; impermeabilização nas partes inferiores dos dez silos; correções no piso para evitar infiltrações e melhorias no sistema de termometria. (Assessoria de Imprensa)