Polí­tica

Na sessão desta quinta-feira, 23, o vereador Carlos Braga (PMDB), usou a tribuna da Câmara Municipal de Palmas para criticar a promotora de justiça Maria Roseli Pery, que questiona quanto à bonificação de R$ 150 reais aos agentes de endemia de Palmas. Em matéria publicada nesta quinta-feira, 23, no Jornal do Tocantins, segundo a promotora, “o entendimento é que esses servidores deveriam cumprir com suas obrigações com a devida eficiência. Independente de serem bonificados, por se tratar de um dever legal”.

Braga lembrou que os agentes recebem um salário de R$ 622 reais e que essa gratificação é justa. O vereador sugeriu que os agentes de endemia de Palmas tivessem uma linha de crédito através do Banco do Povo. “Esses agentes trabalham visitando as milhares de casas da capital sob sol e chuva. Se os funcionários públicos trabalhassem da mesma forma que trabalham os agentes de endemia, certamente o serviço público seria mais eficiente. Essa gratificação é mais do que justa porque eles estão cumprindo uma meta além do que determina o trabalho. Deveria ser criada uma linha de crédito para essa categoria através do Banco do Povo para que pudesse financiar uma moto para facilitar o trabalho”, disse.

O vereador Milton Neris (PR) concordou com o posicionamento de Braga e disse ser a favor do pagamento da gratificação aos agentes. “Eles trabalham muito, de sol a sol, muitas vezes enfrentando o mau humor das pessoas que não querem abrir as portas de suas casas. Temos que oferecer pelo menos as condições mínimas de trabalho para essa categoria. Os números de casos de dengue vêm aumentando e hoje estamos vivendo uma situação em que o cidadão não cuida muito bem do seu meio. Criar polêmica por causa de uma gratificação de R$ 150 reais chega a ser vergonhoso. Um agente de endemia não chega a ganhar um salário de R$ 700”, disse Neris.

O presidente da Câmara, vereador Ivory de Lira (PT), lembrou que os recursos destinados ao trabalho de combate à dengue também pode ser utilizados como pagamento de bonificação. “Essa verba é para equipamentos, contratação de mais agentes e até mesmo gratificação para um melhor salário do agente. Muitas vezes é preferível investir no aumento na produção oferecendo gratificação que realizar novas contratações. Às vezes é melhor investir um pouco mais a carga horária de um agente já preparado, de acordo com a lei, que contratar novos servidores para essa função”, disse.

O vereador Lúcio Campelo (PR) disse que faltou sensibilidade por parte da promotora porque o recurso não está sendo jogado fora, mas sim sendo investido em mais trabalho e rendimento do agente de endemia.

Ordem do Dia

O vereador Carlos Braga apresentou um Projeto de Lei que oferece o título de cidadão palmense ao defensor público geral Marcelo Thomaz de Souza e outro Projeto que concede 20% das vagas nas feiras livres para pessoas com mais de 60 anos. Os projetos foram encaminhados para as comissões de Constituição e Justiça e Administração Pública, Urbanismo e Infraestrutura Municipal.

Na ordem do dia, foram aprovados 40 requerimentos dos parlamentares que solicitam desde recuperação asfáltica, a reparos de iluminação pública, construção de creches, praças, quaras poliesportivas, limpeza de áreas públicas e ações de sinalização de trânsito em várias regiões da Capital. (Dicom CMP)