Polí­tica

Durante a sessão da manhã desta terça-feira, 28, o deputado Sargento Aragão (PPS) apresentou requerimento questionando o governo pela não participação de grandes empresas no processo licitatório para selecionar a organizadora do concurso do Quadro Geral do Estado.

De acordo com o deputado, causou estranheza o fato de instituições tradicionais na organização de certames não participarem da licitação para o concurso do Quadro Geral do Tocantins. “Queremos saber do governo por que empresas como Fundação Carlos Chagas, Cesgranrio, FGV e Cespe UnB não estão inscritas para o concurso do porte do Quadro Geral”, disse.

Já o líder de governo, deputado José Bonifácio (PR), criticou o requerimento de Aragão e frisou que o governador não possui meios para responder a tal questionamento. “Acho que este requerimento e inócuo. Participa de licitação e empresa que quiser. O governador pode simplesmente dizer que não sabe por que as empresas não participaram do processo”, rebateu.

Entenda

Na manhã de ontem, foram abertos os envelopes com a documentação das cinco empresas participantes da licitação para organizar o Concurso do Quadro Geral do Tocantins. A ausência de empresas tradicionais na organização de certames causou estranheza, mas o secretário da Comunicação, Arrhenius Naves, escolhido pelo governo para responder na ocasião, minimizou o assunto e disse que as empresas são livres para participar do processo. “Isso é uma questão comercial”, disse.