Estado

Foto: Divulgação Iramar deixa um grande legado para o movimento no Estado Iramar deixa um grande legado para o movimento no Estado

O Movimento Negro do Tocantins está de luto com o falecimento de um dos pioneiros na luta contra o preconceito no Estado, José Iramar da Silva que faleceu neste domingo, 11, vítima de um câncer. O corpo está sendo velado em Porto Nacional na sede da Comsaúde, entidade que ele estava à frente há mais de anos.

Iramar fundou o Grupo de Consciência Negra do Tocantins – Gruconto que é o mais antigo do Estado e luta contra toda forma de discriminação. O ativista representou o Estado em vários eventos nacionais nos últimos 15 anos e coordenou várias discussões sobre o tema através de Fóruns e conferências.

Iramar, que também era músico, diretor teatral e videasta, é autor de pesquisas sobre comunidades de terreiro no Estado.

Irmar solicitou recentemente uma emenda parlamentar para o Gruconto fazer articulação, mobilização e organização das comunidades negras rurais e urbanas entre elas comunidades quilombolas e de terreiros com objetivo de promover cursos para geração de emprego e rendas nas comunidades que serão atendidas pelo Grupo de Consciência Negra do Tocantins.

Ativistas de todo o Estado lamentam a morte de Iramar que é um dos ícones na luta contra o preconceito e discriminação racial no Tocantins. O Gruconto tem representantes em mais de dez municípios do Tocantins.

O sepultamento será ás 17h no Cemitério São Pedro. Iramar deixa esposa, a professora Luciana Pereira de Souza e quatro filhos Marília, Jonas, Lucas e Gabriel. Atualmente Iramar estudava licenciatura em Teatro pela Universidade de Brasília – UNB