Estado

Foto: Divulgação

O presidente do Instituto de Terras do Tocantins – Itertins, Luiz Carlos Alves de Queiroz confirmou ao Conexão Tocantins na tarde desta quarta-feira, 14, que faltam funcionários técnicos no órgão. “Precisamos contratar mais técnicos e estamos esperando para isso”, disse. A demanda do órgão é de técnicos em agrimensura e em outras áreas, conforme o presidente.

Queiroz conta que os servidores, mesmo em efetivo reduzido, têm se esforçado e até estendido a carga horária para atender as demandas do órgão. “A equipe está colaborando para fazer o trabalho seguir normal”, conta.

O governo já tem conhecimento da necessidade da autarquia e o presidente diz acreditar que até o fim do quadrimestre as contratações possam ser feitas obedecendo ao limite da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Irregularidades

O Itertins desde o início da gestão do governador Siqueira Campos (PSDB) passa por uma análise de possíveis irregularidades que teriam sido praticadas pela gestão anterior. O atual presidente conta que uma comissão de técnicos e analistas jurídicos levantaram todas as irregularidades e encaminharam para o Ministério Público Estadual, Corregedoria Geral de Justiça e outros órgãos.

“Temos provas materiais e estamos tomando as medidas para resgatar o patrimônio público e providenciar a punição dos responsáveis”, disse. Os dois principais problemas encontrados no órgão, segundo o presidente foi a expedição de título a pessoas que não tinham direito legítimo de posse e o descumprimento das formalidades legais para expedição de títulos. “Tudo isso aconteceu nos anos de 2009 e 2010”, completou o presidente.

As irregularidades teriam sido praticadas na gestão do ex-presidente e atual deputado estadual José Augusto Pugliese (PMDB) que chegou a questionar em plenário, na Assembleia Legislativa, o trabalho do atual gestor. Segundo Pugliese o atual presidente teria deixado de aplicar R$ 4 milhões que teriam sido deixados pela sua gestão. O peemedebista questionou ainda a ausência de ações do órgão.