Estado

Foto: Divulgação

Os servidores da Fundação Unirg de Gurupi entraram de greve reivindicando reajuste salarial e adequações no Plano de Cargos, carreira e salários dos professores. A direção da Unirg tenta diálogo com a Associação dos Servidores Administrativos da Fundação UnirG (Asaunirg) e se comprometeu a analisar as demandas.

A Asaunirg cobra reajuste de 7,5% que deveria ter sido feito em 2010 e de 6,5% em 2011. A presidente da Fundação, Dulce Furlan, à frente da instituição há 45 dias, afirmou que “com tranquilidade, tolerância e confiança de que as reivindicações sejam feitas de forma legal, continuaremos nossos trabalhos para que possamos atender todas as necessidades de nossa Instituição”, disse.

Nota de esclarecimento da presidência - greve dos servidores

Em face da deliberação coletiva dos funcionários da UnirG em deflagrar paralisação de suas atividades vimos por meio dessa esclarecer que:

- Reconhecemos a legitimidade do direito de greve, norteada pelo art. 9º e em específico pelo art. 37, VI de nossa Constituição Federal, porém, com base no que a Carta Magna nos orienta, em seu art.169, estamos impedidos de atender as reivindicações dos servidores, neste momento, para não incorrermos em crime de Improbidade Administrativa.

- Atualmente a UnirG passa por um processo de reestruturação para atender a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), seguindo orientações da Controladoria Geral em Nota Técnica n° 01/2012 e orientações do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE). Para a patir de então, possamos rever questões de relevante importância, como é o caso de reajustes salariais, planos de cargos e salários entre tantos outros.

- A presidência se reuniu esta semana com a Associação dos Servidores Administrativos da Fundação UnirG (Asaunirg), e comprometeu-se a rever a atual situação da UnirG e reduzir gastos até o mês de maio.

- Por estar há apenas 45 dias à frente da presidência, não podemos responder pelo não pagamento dos ajustes salariais que deveriam ter sido realizados em 2010 (7,5%), e 2011 (6,5%), segundo o acordo firmado entre a Fundação e a Asaunirg. Essa deveria ter sido uma ação dos gestores anteriores, mas desconhecemos os motivos que levaram ao descumprimento do mesmo.

Com tranquilidade, tolerância e confiança de que as reivindicações sejam feitas de forma legal, continuaremos nossos trabalhos para que possamos atender todas as necessidades de nossa Instituição.




Dulce Maria Pimenta Furlan
Presidente da Fundação UnirG