Polí­tica

Foto: Divulgação

Após semanas de discussões e debates acirrados, o último Projeto de Lei de autoria do Governo do Estado e que altera a estrutura da Polícia Militar do Tocantins foi aprovado durante a sessão ordinária da tarde desta quarta-feira, 25, na Assembleia Legislativa. Portanto, depois de pedido de recurso do deputado Sargento Aragão (PPS) rejeitado na casa, com 13 votos favoráveis e quatro contrários, o PLC 02 passou pela votação sob os protestos e pedidos de reprovação por parte do deputado do PPS.

De acordo com o deputado, a aprovação de mais este Projeto de Lei do governo prejudica a categoria dos praças da PM, por não atenderem as promoções de policiais da área da saúde. Além disso, o deputado ainda criticou duramente a postura dos parlamentares da bancada governista que aprovaram a matéria. “São projetos que não são de interesse da corporação, mas eu sei que o senhor cumpre ordens do Palácio Araguaia”, disse, dirigindo-se ao deputado José Bonifácio (PR), ex-líder de governo.

Além disso, o deputado alegou que, com os projetos que, segundo ele prejudicam a PM, policiais estão migrando cada vez mais para outras funções no Estado. “Estamos criando batalhões no Tribunal de Contas do Estado, no Ministério Público, no Detran. São pelotões que estão sendo tirados das ruas para fazer assessorias políticas”, completou.

Entenda

Durante quase todo o mês de abril, desde que os cinco projetos de leis de autoria do governo deram entrada na Assembleia Legislativa, o parlamento tem se desdobrado em debates e negociações visando um ponto comum entre governo e oposição. Representados pelo deputado Sargento Aragão, policiais e bombeiros marcaram presença na Casa de Leis, enquanto suas propostas eram ouvidas e debatidas pelo parlamento.

Contudo, mesmo com todas as movimentações que levaram inclusive à prisão de três policiais por ameaçarem os deputados, os projetos de lei passaram pelo parlamento praticamente sem alterações em sua estrutura original.