Polí­tica

Em visita à Assembleia Legislativa na manhã desta quarta-feira, 25, a prefeita de Porto Nacional, Tereza Martins (PDT), concedeu entrevista ao Conexão Tocantins e comentou sobre a proposta de desmembramento do distrito de Luzimangues do município e possível anexação à capital, Palmas. A proposta foi apresentada pelo deputado Marcelo Lelis (PV), na última semana e tem gerado reações negativas por parte dos políticos da cidade histórica do Tocantins.

Tereza considerou a proposta de Lelis infeliz e afirmou que o distrito, localizado a cerca de 5 km de Palmas, tem recebido todo o suporte de Porto Nacional, mesmo estando distante de sua sede. “Nós temos levado saúde, educação, saneamento básico ao distrito. Não deixamos nada faltar à população de Luzimangues”, salientou.

Uma das principais justificativas dos políticos de Palmas, a de que o bonus sobre Luzimangues fica com Porto e o ônus, com Palmas, foi contestada pela prefeita que frisou que a Prefeitura de Porto arca com os gastos hospitalares quando algum paciente do distrito precisa ser movido para Palmas. “Na saúde, tudo que vem para Palmas, a Prefeitura cobra de Porto”, disse.

Tereza destacou que sua visita à Casa de Leis do Tocantins foi para discutir com os deputados uma saída para o impasse gerado pela proposta do deputado do PV. O principal representante da cidade histórica, deputado Toinho Andrade (PSD) já se posicionaou contrário ao desmembramento do distrito e pediu, na sessão de ontem, que o deputadeo Marcelo Lelis retire a proposta. “Viemos para tirar este mal-entendido por que a lei que foi feita não condiz com o que o deputado está querendo”, completou, Tereza.

Uma questão que tem chamado a atenção, desde o início da discussão sobre o desmembramento do distrito do município de Porto Nacional é a instalação do pátio Multimodal da Ferrovia Norte-Sul e a arrecadação que o distrito vai render para o município que fizer parte. Este foi o ponto principal levantado pela prefeita. “Daqui dois, tres anos, o distrito vai ter arrecadação muito maior do que hoje. Acho que o deputado está olhando para o futuro e não para a realidade de Luzimangues”, finalizou.