Polí­tica

Foto: Ezequias Araujo

Pré-candidato do PSB à Prefeitura de Palmas, Alan Barbiero é o terceiro entrevistado da série de entrevistas sobre as propostas para a capital. Barbiero elogia vários pontos da gestão do prefeito Raul Filho (PT) e diz que pretende dar continuidade ao trabalho do petista.

No foco de sua administração, caso seja eleito, Barbiero conta que pretende governar com maior participação das pessoas. “Queremos mobilizar as pessoas para um projeto de desenvolvimento econômico e social sustentável. Faremos uma gestão pública profissional, valorizando a competência e o mérito”, disse.

Sobre projetos, ele conta que pretende fazer várias obras e defende a criação de um Instituto de Planejamento Urbano de Palmas. Na área econômica e de geração de emprego, Barbiero prega uma maior independência da capital do poder público.

Veja a íntegra da entrevista:

CT – A prefeitura de Palmas tem divulgado que a cidade é uma das que mais cresce na região norte. Mas, na sua opinião, o que realmente faz com que a cidade cresça e se desenvolva?

A.B - Palmas é uma cidade atraente. Uma capital nova. Localizada no coração do Brasil. Formada por pessoas empreendedoras e motivadas a crescerem com a cidade. Nosso potencial econômico é enorme. Por aqui passam grandes projetos de integração nacional. Na verdade, o Brasil se encontra em Palmas, através das ferrovias, rodovias, hidrovias, sistemas elétricos e de cabeamento óptico. Estamos nos tornando uma cidade universitária, com uma boa oferta de cursos de graduação e pós-graduação, além de sermos um exemplo na educação básica, com as escolas em tempo integral. Podemos crescer ainda mais. Para isso precisamos de um arrojado projeto de desenvolvimento, com vistas para o presente e futuro. Um projeto que mobilize a cidade, que envolva todas as pessoas.

CT – A polêmica do plano diretor é um dos assuntos que tomou conta da capital desde o ano passado. Qual seu posicionamento claro sobre possíveis alterações no plano diretor da cidade? Você é contra ou a favor a criação de uma área de expansão urbana?

A.B - Sou contra a expansão do plano diretor, principalmente da forma como está sendo conduzida pela Câmara de Vereadores. Sou a favor de políticas públicas que promovam a ocupação dos espaços vazios de Palmas. Temos uma população de 230 mil habitantes em um perímetro urbano que cabe mais de 1 milhão. Temos vários problemas na cidade a serem enfrentados, antes de pensar em sua expansão. Participei ativamente desse debate. Apresentamos várias propostas viáveis já aplicadas com sucesso em outras cidades.

CT – Trânsito e Transporte. Como melhorar essa área na capital?

A.B - Defendo a criação de um Instituto de Planejamento Urbano para Palmas. Uma cidade bem planejada e bem ocupada é uma cidade com uma boa mobilidade para a sua gente. Precisamos melhorar a eficiência do transporte coletivo. Isso é possível. Em muitas cidades os usuários sabem a hora exata que o ônibus passa no ponto e chega em seu destino. Há uma integração entre as diferentes linhas, formando uma rede em toda a cidade. Com um único bilhete o cidadão se desloca em toda a cidade. Temos também que implantar os BRTs, que são ônibus especiais, mais confortáveis e adequados ao transporte público. Além disso, é importante fazer as ciclovias, sombreadas e seguras, integradas ao sistema de transporte coletivo. Sobre o trânsito, é fundamental criar alternativas para evitar os congestionamentos já existentes em Palmas. Temos que rever os desenhos das rotatórias, que se tornaram um problema em alguns locais. Pavimentar novas avenidas que ligam a cidade de norte a sul, como a NS 01. Em Taquaralto, temos uma proposta para revitalizar a Avenida Tocantins e criar novos fluxos para veículos e pedestres. Além disso, temos que implantar um forte programa de educação no trânsito.

CT - Como você avalia o setor de saúde na capital e a prestação de serviços por parte da prefeitura? E nos bairros mais distantes? O que, na sua opinião, é preciso melhorar na saúde de Palmas?

A.B - A saúde tem de ser vista como um todo. Como um sistema que depende de uma boa articulação entre prefeitura e governo do Estado. Do meu ponto de vista, esta articulação está precária. Temos que somar todos os esforços e não dividir. O fortalecimento da atenção básica é fundamental. Aproximadamente oitenta por cento dos problemas se resolvem aí. Temos que focar na promoção da saúde do cidadão, para evitar que a doença chegue e leve à hospitalização. Da mesma forma, temos que melhorar o atendimento de média complexidade. Hoje um paciente com necessidade de fazer uma cirurgia de vesícula tem que esperar um bom tempo. Isso quer dizer maior investimento na implantação das UPAS (Unidades de Pronto Atendimento). O HGP tem que se tornar um hospital de referência para a alta complexidade, prioritariamente. Assim, defendo a integralidade da atenção a saúde, o que quer dizer que temos que atender o cidadão naquilo que ele precisa e na hora que ele precisa, havendo para isso uma responsabilidade solidária entre Estado e Município.

CT – As escolas de tempo integral são o mote da atual administração na área da educação. Quais outros projetos na área você, caso venha ser prefeito eleito, pretende desenvolver para a educação?

A.B - As escolas em tempo integral são um grande legado que a administração do prefeito Raul Filho deixa para Palmas. Temos que consolidar esse projeto e ampliar a oferta de vagas. Além disso, existe uma grande necessidade de expandir o número de CEMEIS (Centros Especiais de Educação Infantil). Hoje as mulheres estão no mercado de trabalho e não tem onde deixar seus filhos. Por fim, é necessário, continuamente, valorizar os profissionais em educação, melhorando seus salários e condições de trabalho.

CT – Na geração de emprego e renda, quais são seus planos como possível futuro gestor da cidade para melhorar essa área?

A.B - Vamos induzir o desenvolvimento de novas atividades econômicas. Palmas ainda é muito dependente do poder público. E isso é ruim. Quando muda governo ou atrasa pagamento de servidores a cidade pára, o comércio entra em crise. Temos que fortalecer a economia da cidade atraindo novos investimentos na área do turismo, agronegócio, esportes, comércio atacadista e construção civil. Além disso, temos que fortalecer o cinturão verde apoiando a agricultura familiar, que gera muitos empregos e renda. A maior parte dos alimentos que consumimos vem de fora. Desburocratizar a administração pública municipal e melhorar sua eficiência é outra necessidade. Um alvará de construção tem que ser emitido com maior rapidez, por exemplo. Outro gargalo que tem que ser resolvido são as áreas destinadas à instalação de novos empreendimentos, com a infra-estrutura adequada. Tudo isso tem que estar vinculado a um forte programa de qualificação profissional e desenvolvimento da cultura empreendedora. Faremos parcerias com todas as instituições ligadas a essa área para tornar Palmas uma cidade do conhecimento, atrativa a novos investimentos.

CT – Quais obras de infra-estrutura você pretende construir na sua gestão?

A.B - Temos muito o que fazer nesta área. Estamos estudando a viabilidade de criar uma empresa pública municipal de asfaltamento, construção de galerias pluviais e esgoto. Uma empresa moderna e eficiente, com uma gestão profissional e forte controle social. Faremos uma grande economia no custo das obras. Assim, poderemos multiplicar a quantidade de quadras e bairros atendidos com essas infra-estruturas básicas. Pretendemos ampliar os espaços públicos para o bom atendimento da população nas áreas de saúde e educação. Vamos concluir a construção do Parque do Povo e ampliá-lo para ser um local adequado para sediar grandes eventos e atrair pessoas do Brasil inteiro. Isso fortalece a economia local, com o turismo de eventos. Pretendemos construir vários parques e praças para aumentar os espaços de integração da cidade, bem como ciclovias e terminais de transporte coletivo para melhorar a mobilidade das pessoas.

CT – Cultura e Turismo. Como alavancar mais estes setores na mais nova capital do país?

A.B - Temos que valorizar os artistas locais e promovê-los. Isso passa pelo fortalecimento da Fundação Municipal de Cultura que terá um orçamento ampliado. Vamos apoiar fortemente os grupos de quadrilhas, que já se tornaram uma tradição em Palmas. Nosso artesanato ganhará espaço no Brasil e no mundo. Com relação ao turismo, esse será um eixo do desenvolvimento econômico e social do município. Temos que preparar nossa cidade para receber bem o turista. Faremos investimentos para construir a infra-estrutura necessária ao desenvolvimento do turismo de eventos, negócios, esportes (náuticos e radicais) e o ecoturismo. Buscaremos parcerias com os empresários do setor de hotelaria e restauração, bem como com o Sistema S, Universidades e com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia.

CT – Quais serão suas primeiras ações como gestor, caso venha ser prefeito de Palmas?

A.B - Faremos uma grande mobilização para limpar e cuidar bem da cidade. O poder público tem sua responsabilidade, mas a população também. Queremos uma cidade bonita, bem cuidada. Vamos fazer a nossa parte, mas iremos convidar a população para nos ajudar. Faremos campanhas educativas e colocaremos as máquinas para trabalhar. Tem que ser essas duas frentes de trabalho ao mesmo tempo. Queremos também iluminar a cidade para dar mais beleza e segurança. Vamos implantar um forte programa de modernização da administração pública, reduzindo gastos e melhorando a eficiência.

CT - Como você avalia nas principais áreas a atual gestão do prefeito Raul Filho? O que precisa mudar na sua opinião?

A.B - A gestão do prefeito Raul Filho deixa um grande legado a todos nós: a melhoria radical da educação. Temos que parabenizá-lo por isso, pois investiu muito no que é mais importante para qualquer sociedade. Daremos continuidade a essa política. A saúde e moradia popular também evoluíram nesta gestão. Faremos uma administração com maior participação popular. Queremos mobilizar as pessoas para um projeto de desenvolvimento econômico e social sustentável. Faremos uma gestão pública profissional, valorizando a competência e o mérito. Nosso foco será o cidadão, o ser humano de forma integral. Uma cidade cheia de oportunidade, com um bom planejamento urbano, que seja boa para todos, com programas sociais que valorizem a cidadania e os direitos humanos.