Estado

Foto: Divulgação

O Tribunal de Justiça do Estado do Tocanins deve analisar um mandado de segurança impetrado pelo jornalista Marcio Raposo na segunda-feira, 14, contra o secretário de Comunicação, Arrhenius Naves. O motivo é a remoção do servidor para outra secretaria o que segundo Raposo configura abuso de poder e perseguição.

Raposo conta que é servidor concursado e que desde 1993 trabalha na Secretaria Estadual de Comunicação. A remoção teria acontecido, segundo ele, sem aviso prévio e sem a exposição do motivo.

Procurado pelo Conexão Tocantins para comentar o assunto o secretário Arrhenius Naves explicou que apenas usou de sua prerrogativa de titular da pasta para devolver o servidor para os quadros da secretaria da Administração. Com a reestruturação que foi feita na pasta o secretário conta que não foi mais necessário o trabalho do jornalista na Secom. Sobre o mandado o secretário conta que ainda não foi notificado.

Raposo relata ainda que está sendo punido com pena pesada e sem abertura de um inquérito administrativo para que ele possa se defender. No entanto, Arrhenius negou qualquer intenção de prejudicar ou perseguir o servidor. “Eu não prejudiquei ele, não cortei o salário dele”, completou. O jornalista cita ainda que está sendo vítima de assédio moral.

Outra alegação do profissional é que a mudança de local de trabalho requer reorganização psicológica, familiar, e patrimonial.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado – Sindjor informou que está acompanhando o desenrolar dos fatos e diz aguardar esclarecimento por parte da Secom. Para o Sindicato é evidente o abuso de poder por parte da pasta.