Polí­tica

Foto: Divulgação Clique nas imagens para ampliar Clique nas imagens para ampliar
  • Potencial de Rejeição de Votos dos Pré-candidatos
  • Grau de Conhecimento dos Pré-candidatos a Prefeito

Avaliando a rejeição dos pré-candidatos a prefeito, os entrevistados na segunda pesquisa do Ibope para eleições deste ano, em Palmas, tiveram que escolher em qual dos oito nomes apresentados pela pesquisa não votariam de jeito nenhum. Neste quesito a vice-prefeita Edna Agnolin (PDT) lidera a rejeição com 24% dos votos seguida por Carlos Amastha (PP) e Ivory de Lira (PT) empatados com 20%. Eli Borges (PMDB) vem em seguida com um índice de rejeição de 18%, Alan Barbiero (PSB) aparece com 16%, Walter Balestra (PCdoB) com 15%. Luana e Lelis são os menos rejeitados com 13% cada um. Dos entrevistados, 7% afirmaram que poderiam votar em todos os nomes apresentados e 27% não souberam ou não responderam.

Na primeira rodada da entrevista Ibope divulgada em janeiro deste ano, Lelis teve 8% de rejeição. A maior rejeição na época da primeira pesquisa foi a do ex-governador do Tocantins, Carlos Gaguim, citado por 44% dos entrevistados. Os demais pré-candidatos atingiram índices de rejeição inferiores a 22%, sendo que Luana Ribeiro apresentou a menor rejeição (10%). Entretanto, nesta pesquisa a rejeição do pevista e da republicana subiram 5% e 3% respectivamente.

Analisando mais dados sobre a rejeição dos pré-candidatos é possível perceber que é a vice-prefeita Edna Agnolin que tem o maior índice de rejeição entre o público feminino com (26%) e também entre os entrevistados que tem de 16 a 24 anos (28%). A pedetista também tem a maior rejeição entre os entrevistados com nível médio (25%) e dentre os que tem apenas nível fundamental (24%). A rejeição de Edna dentre os entrevistados que tem renda familiar de mais de 5 salários mínimos chega a 27%, e até dois salários mínimos 25%.

Dentre os entrevistados que avaliam a gestão de Raul Filho (PT) como ótima a rejeição de Edna Agnolin é de 14%. Já 32% que acham a administração petista ruim ou péssima disseram que não votariam na vice-prefeita. Outros 29% dos que desaprovam a gestão de Raul não votariam em Edna.

Já o empresário e pré-candidato pelo PP, Carlos Amastha tem maior rejeição entre o público com idade entre 40 a 49 anos (23%) e dentre os entrevistados com nível superior (28%). A menor rejeição do pepista é entre os entrevistados que ganham até dois salários mínimos (18%) e a maior entre os que ganham mais de cinco (26%).

Conhecimento dos candidatos

A Pesquisa Ibope ouviu também os eleitores com relação ao conhecimento dos pré-candidatos que pretendem disputar o pleito de outubro sendo assim o Instituto avaliou se os entrevistados conhecem bem, pouco, só de ouvir falar ou nunca ouviram falar em alguns nomes.

O primeiro avaliado foi Alan Barbiero. Com relação ao pré-candidato 33% informaram que nunca ouviram falar nele e o mesmo índice disse que só ouviram o nome dele. 23% dizem conhecer um pouco e 9% conhecem bem. 1% não souberam ou não responderam. Dentre o público com nível superior, já que Barbiero é reitor da Universidade Federal do Tocantins por dois mandatos, apenas 16% disseram conhecer bem o pré-candidato. 23% deste público disseram nunca ouvir falar.

O segundo avaliado neste quesito foi Carlos Amastha. 7% dos entrevistados disseram conhecer bem o pré-candidato, 24% conhecem um pouco, 37% só de ouvir falar, 31% nunca ouviram falar nele.

Quando a avaliada é Edna Agnolin, 27% dos entrevistados disseram conhecer bem a pré-candidata e 27% conhecem um pouco. 28% disseram que só ouviram falar o nome dela, 4% nunca ouviram falar. Já o petista Ivory que é vereador há vários mandatos e presidente da Câmara de Palmas, é bem conhecido por 16% dos entrevistados, 34% afirmaram conhecer um pouco, 32% conhecem só de ouvir o nome, 17% nunca ouviram falar.

37% dos entrevistados disseram conhecer bem Luana Ribeiro e o mesmo índice conhecem um pouco. 22% conhecem só de ouvir o nome da republicana e 4% nunca ouviram falar.

A maioria dos entrevistados afirmaram conhecer bem o deputado Marcelo Lelis (57%), 27% conhecem um pouco, 13% só de ouvir falar e 1% nunca ouviram falar nele. Outra avaliação é com relação a Walter Balestra onde 33% afirmaram nunca ter ouvido falar do pré-candidato. 32% disseram só ter ouvido o nome, 22% afirmaram conhecer um pouco e 11% apontaram conhecer bem o pré-candidato.

O peemedebista Eli Borges é bem conhecido por 28% dos entrevistados, segundo a pesquisa. 35% conhecem um pouco, 26% conhecem só de ouvir o nome e 9% disseram nunca ter ouvido falar nele.

Outras avaliações

Na avaliação da opinião dos entrevistados sobre os pré candidatos, 44% dos eleitores afirmaram que não votariam de jeito nenhum em Edna Agnolin, o mesmo se repetindo para Ivory de Lira. Já em Carlos Amastha 42% não votariam de jeito nenhum, Alan Barbiero 41%, Eli Borges 40% e Balestra 40% afirmaram que não votariam de jeito nenhum. Em Luana Ribeiro 29% não votariam de jeito nenhum e em Marcelo Lelis 22%.

31% dos eleitores informaram ainda através da pesquisa que não conhecem Walter Balestra, Alan Barbiero e Carlos Amastha o suficiente para opinar sobre or pré-candidatos. O índice desta avaliação com relação aos outros candidatos foi de: Ivory 25%, Eli Borges 19%, Edna Agnolin 15%, Luana Ribeiro 11% e Marcelo Lelis 3%.

Nível de interesse

Uma das perguntas da entrevista foi com relação ao interesse dos eleitores entrevistados pelas eleições de outubro deste ano. O índice maior foi de pessoas que disseram ter pouco interesse registrando 28% do total dos entrevistados. 21% afirmaram ter muito interesse pelo pleito, enquanto 26% apontaram interesse médio no assunto. O índice de entrevistados que declararam não ter nenhum interesse foi de 22% e 3% não sabem ou não responderam corresponde a 3% dos entrevistados.

A pesquisa

A pesquisa encomendada pelo Partido Progressista e registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins sob protocolo nº TO-0030/2012 foi realizada de 24 a 26 de maio de 2012 com 602 entrevistados. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.